Atividades

A Defender – Defesa Civil do Patrimônio Histórico, fundada em janeiro de 2002, dedica suas atividades através da elaboração e execução direta de projetos, programas, planos de ações, prestação de serviços intermediários de apoio a outras organizações sem fins lucrativos e a órgãos do setor público que atuam nas áreas da cultura, patrimônio histórico e artístico, turismo cultural e social, meio ambiente e cidadania.

Resumo de algumas atividades, ações, projetos e programas já realizados e/ou em fase de realização pela Defender – Defesa Civil do Patrimônio Histórico.

Ponto de Cultura – Defender

LOGOPONTO1

Aprovado em edital publicado em 2012, a Defender – Defesa Civil do Patrimônio Histórico instalou o primeiro Ponto de Cultura especificamente para desenvolver atividades de Educação Patrimonial. O Ponto de Cultura implantado em Cachoeira do Sul é o piloto para o desenvolvimento de outros em diferentes municípios.

_______________________________________________________________________________________

27ª, 28ª e 29ª Edições do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade – IPHAN 2014/2015/2016

A Defender integrou o corpo de jurados da Comissão Nacional de avaliação das ações inscritas nas 27ª, 28ª e 29ª ediçòes do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade.

10448646_10203925196804552_1016153284131034143_o

_______________________________________________________________________________________

Capela Bom Pastor – Restauração e Oficinas de Artesãos (Etapa 1)

3

Resumo: elaboração de projeto arquitetônico de restauração da Capela Bom Pastor, localizada no interior do Presidio Feminino Madre Pelletier em Porto Alegre, tombada como Patrimônio Cultural do RS; Projetos Complementares e realização de oficinas de capacitação com detentas que participarão das etapas de realização do projeto como forma de ação reintegradora. Este projeto (Etapa 1) diz respeito a primeira fase de um projeto global. A segunda fase se refere a execução da restauração do prédio histórico.

Breve histórico: localizada na capital do Rio Grande do Sul, no interior do Presídio Feminino Madre Pelletier, a Capela Bom Pastor inteiramente decorada com pinturas murais de Emilio Sessa* foi tombada em 1991 como Patrimônio Cultural do Estado. Construída em forma de cruz, também abrigou uma creche e a escola para os filhos das presidiárias. Em 1995, sofreu um incêndio e, desde então encontrava-se fechada, sem nenhum tipo de limpeza e manutenção.

A Promotoria de Justiça de Defesa do Meio Ambiente – MP RS instaurou o inquérito civil 00833.00120 em dezembro de 2010 com o objetivo de apurar o abandono da Capela Bom Pastor.

No final de 2011, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado (IPHAE RS) e a Superintendência dos Serviços Penitenciários (SUSEPE), com a ajuda de mulheres presidiárias realizaram uma limpeza na Capela que consistiu na retirada de entulhos e desinfecção. A participação dessas mulheres nesta etapa de limpeza foi muito significativa, de acordo com informações do IPHAE RS e SUSEPE.

IMG_3843reduz

Diante da prioridade de restauração deste bem tombado, foram estabelecidos Acordos de Cooperação Técnica entre a Defender – Defesa Civil do Patrimônio Histórico, Penitenciária Feminina Madre Pelletier e Secretaria de Estado da Cultura, por meio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado (IPHAE RS) visando a elaboração e execução do Projeto Cultural denominado Capela Bom Pastor – Restauração e Oficinas de Artesãos.

No Brasil, a maioria das presas não possuem nenhum tipo de qualificação profissional ou até mesmo nunca trabalharam, o que torna a situação financeira um dos principais motivos que as levam a cometer algum tipo de delinquência. Além disso, a falta de estrutura familiar, suporte psicológico, apoio social e emocional, oportuniza o desespero que pode levar a prática de atos criminosos.

Nesse sentido, a proposta de somar ao desenvolvimento do projeto, oficinas de qualificação para detentas, monitoradas por especialistas na área de restauração, possibilita ensinar um oficio a estas cidadãs e ao mesmo tempo realizar etapas iniciais da elaboração de um projeto (levantamento arquitetônico e diagnóstico) que servirão posteriormente para compor o projeto completo da restauração deste bem, além de iniciar o restauro de parte das pinturas murais. Estas etapas garantem ao Estado o cumprimento de, no mínimo, duas obrigações constitucionais.

Ao mesmo tempo será desenvolvido o restauro dos painéis em vitrais e das esquadrias de ferro e madeira.

*Sobre Emílio Sessa – nasceu em 10 de agosto de 1913, em Bergamo, Província de Lombardia, na Itália. Aos 14 anos passou a frequentar a Scuola d’Arte Applicata all’Industria Andrea Fantoni. Partilhou da mesma formação artística e cultural de Aldo Locatelli, do qual era amigo e colega de estudos. Emílio Sessa e Aldo Locatelli chegaram no Brasil, mais especificamente em Pelotas, em novembro de 1948. Trabalharam (Sessa e Locatelli) em conjunto com Adolfo Gardoni na decoração interior da Catedral São Francisco de Paula, no ano de 1949. Com a repercussão do trabalho em Pelotas, Sessa e Locatelli começaram a receber diversas encomendas. Dentre os vários trabalhos solicitados estava o Palácio Piratini, em Porto Alegre e a Igreja São Pelegrino, em Caxias do Sul. Emílio Sessa também teve diversos trabalhos de exclusiva, os quais se destacam os painéis da Capela Bom Pastor do Presídio Madre Pelletier, que por muitos anos teve sua autoria equivocadamente atribuída a Locatelli; as pinturas da Capela do Colégio São José em Caxias do Sul, a Via Sacra da Igreja Matriz de Novo Hamburgo, a Igreja Sagrada Família em Porto Alegre, a Capela do Colégio Teresa Verzeri, em Santo Ângelo, entre outras. Sessa retornou a Itália em 1965 e faleceu em Bergamo no ano de 1990.

 

4

Situação: projeto cultural aprovado pela CNIC/Ministério da Cultura, em fase de captação de recursos.

_______________________________________________________________________________________

Sítio Histórico Antigo Hospital de Caridade de Cachoeira do Sul (RS)

HCB_reduzido

Resumo: elaboração de Projeto Arquitetônico Executivo de restauração do prédio histórico denominado Antigo Hospital de Caridade de Cachoeira do Sul; Projetos Complementares, conforme especificações técnicas do IPHAN; Plano de Revitalização do Entorno deste Bem tombado como Patrimônio Histórico Cultural Municipal e Orçamentos. O presente projeto diz respeito a primeira fase de um projeto global, desdobrado em duas fases. A segunda fase refere-se a execução das obras de restauração.

Breve Histórico: no ano de 1903, uma mobilização comunitária foi fundamental e importante para a idealização e construção do primeiro hospital da cidade de Cachoeira do Sul, no Estado do Rio Grande do Sul.

A história relata que em 15 de outubro de 1846, durante sessão da Câmara Municipal da Vila Nova de São João da Cachoeira (hoje Cachoeira do Sul), um médico vereador apresentou proposição recomendando a criação de um hospital de caridade – o Hospital São João. Mas a proposição não foi aprovada.

No dia 23 de agosto de 1903 foi lançada a pedra fundamental do Asilo de Caridade (Hospital) num terreno localizado no núcleo inicial de urbanização da cidade (1769). A construção do sobrado para abrigar a casa de saúde levou sete anos e só foi possível pela abnegação, voluntariado e esforços de todos os cachoeirenses que, por meio de doações e levantamento de fundos provenientes da realização de chás de caridade, concluíram este que é o mais importante símbolo da história hospitalar de Cachoeira do Sul.

A inauguração do Asilo de Caridade aconteceu no dia 11 de dezembro de 1910.

Diante da necessidade de ampliação de espaço físico para melhor atender a população de Cachoeira, foi aprovado, 1935, a construção de um novo hospital em área doada pela municipalidade, na Praça Itororó, em frente ao primeiro hospital.

Atualmente, o prédio do Asilo de Caridade (primeiro hospital) abriga a Escola de Educação Profissional da Saúde, mantida pelo Hospital de Caridade e Beneficência e necessita de um projeto completo de restauração.

Esta edificação assobradada, tombada como Patrimônio Histórico Cultural pelo Município de Cachoeira do Sul, em 17 de abril de 1985, sofreu alguns acréscimos ao longo dos anos para comportar atividades extras e aumento de sua área útil. Como não foram bem planejados, estes elementos, acabaram descaracterizando o imóvel, principalmente na área interna.

Na avaliação para a elaboração deste projeto, foi observada a importância do sítio onde está localizado o prédio do Asilo de Caridade e a diversidade histórica de outros elementos arquitetônicos de seu entorno, como o prédio art déco que abriga atualmente os serviços do hospital, o Cemitério das Irmandades e a Capela Santa Catarina. Com elementos artísticos interessantes, a Caixa d’água, primeira hidráulica municipal, que é um marco visual na região e referência em altura, importante devido a visualização que se tem do rio que abastece a cidade, carente também de restauração, junto com a fonte que cria um espaço urbano nobre de convivência e de visuais que deve ser levado em consideração. Os bens históricos que compõem este importante sítio fazem parte do Inventário do Patrimônio Cultural de Cachoeira do Sul (1989).

Diante de estudos preliminares, chegou-se a conclusão de que para a restauração do antigo hospital ter um valor relevante e um retorno de qualidade arquitetônica para a cidade e população, é imperioso que se resgate toda a área do quadrilátero onde estão inseridos estes elementos históricos.

O antigo prédio, após sua restauração, deverá abrigar uma recepção, salas de reuniões e atividades múltiplas, memorial sobre a história da saúde de Cachoeira do Sul, biblioteca técnica (para uso de alunos) e comunitária (para uso dos pacientes e seus acompanhantes; e vizinhos) e anexos contemporâneos para as atividades da Escola de Saúde.

O projeto é ousado e realista no sentido que agrega ao antigo hospital melhores condições para o desenvolvimento dos cursos existentes, bem como, revitaliza todo um quarteirão que aporta atividades relativas a saúde e ao ensino, além de resgatar a história e a paisagem desta cidade, criando-se ambientes de educação, cultura, lazer, alimentação, contemplação e espiritualidade. Enfim, uma proposta que eleva a autoestima e valoriza as conquistas do povo de Cachoeira do Sul, através de sua arte e arquitetura.

Cj_Asilo_Capela

Situação: projeto cultural aprovado pelo Ministério da Cultura, através da Lei de Incentivo à Cultura Federal (Rouanet), com patrocínio exclusivo da CORSAN – Companhia Rio Grandense de Saneamento. Executado.

_______________________________________________________________________________________

Château d’ Eau

Untitled1

Resumo: elaboração de projeto cultural de restauração do Château d’Eau, segunda caixa d’água de Cachoeira do Sul (RS) inaugurado em 1925.

Breve Histórico: inaugurado em 1925, no governo do Dr. João Neves da Fontoura, no centro da praça Balthazar de Bem, que juntamente com o prédio da Antiga Casa de Câmara, Cadeia e Jurí de Cachoeira do Sul e a Catedral Nossa Senhora da Conceição formam um belíssimo conjunto arquitetônico, o mais belo cartão-postal da cidade.

Trata-se de um torreão vazado, em estilo neoclássico, com colunas dóricas no térreo, jônicas no primeiro andar e coríntias no último lance. Em seu topo está a representação de Netuno, ao redor do torreão, seis figuras de ninfas semi-inclinadas carregando cântaros de onde jorram um filete de água para o interior de um espelho d’água recortado em compartimentos pelas alamedas que conduzem às escadarias. Cercado inicialmente por 12 (doze) palmeiras imperiais, o Château d’Eau compõe um paisagismo de matizes classicizantes como aqueles desenvolvidos em escala mais ampla, pelos discípulos de Grandjean de Montigni no Rio de Janeiro – Palácio Itamaraty – e em São Paulo – Parque da Independência. Para os ideólogos da intendência de Cachoeira do Sul, no Château d’Eau, ao se projetar uma caixa d’água na forma de um monumento artístico estava se seguindo “aquilo que havia de mais moderno em doutrina de urbanismo” (D. Notícias, 15/05/1927, p. 16). As figuras do Château d’Eau são atribuídas a Giuseppe Gaudenzi e Alfred Adloff. Provavelmente o primeiro concebeu o monumento e o segundo executou as obras.

Tinha a finalidade de levar a água por gravidade ao reservatório de distribuição à Rua Júlio de Castilhos e regular ao mesmo tempo, a pressão da água nas zonas mais elevadas. O Château d’Eau sofreu diversos serviços de manutenção e pequenas adaptações que no entanto não comprometeram por total a sua integridade. O Château d’Eau foi tombado em 17 de agosto de 2012, por meio do Decreto Municipal nº 190.

Elevações S O

Situação: executado.