Notícias desde Abril de 2008

Araxá abriga história de Dona Beija

Fontes termais e museu relembram a cortesã que se tornou poderosa.

Filha de um cometa — assim eram chamados os caixeiros-viajantes — a menina Ana Jacintha de São José chegou a Araxá com os avós em 1805. À medida que se tornava moça, a beleza de Ana ia causando inveja nas outras mulheres. Durante toda a vida, Dona Beija, como ficou conhecida, irritou as mulheres e encantou os homens.

Ela tornou-se personagem histórica no Triângulo Mineiro. Suas peças podem ser vistas num museu em Araxá e sua história desperta a curiosidade na cidade de Estrela do Sul. O escritor Pedro Divino Rosa conta no livro “Dona Beija”, que a menina Ana nunca estudou mas “a falta das letras não diminuiu sua inteligência”.

Apaixonada pelo fazendeiro Manoel Fernando Sampaio, Ana Jacintha tornou-se sua noiva. O noivo lhe deu o apelido de “Beija” por compará-la à doçura e à beleza da flor “beijo”.

Em 1815, a bela jovem foi raptada pelo ouvidor do Rei, Joaquim Inácio Silveira da Motta, que ficou fascinado com sua beleza.

Por dois anos, Beija viveu como amante do ouvidor na Vila do Paracatu do Príncipe.

Ao retornar a Araxá, ela encontrou um ambiente hostil. A conservadora sociedade local não a via como vítima, mas como uma mulher sedutora de comportamento duvidoso.

Para o escritor Pedro Divino Rosa, a notícia da morte d único homem que Beija realmente amara, transformou sua vida. “Beija caiu em prantos, vestiu-se de luto e trancou-se na casa. Por um ano só saiu à rua para ir à igreja. Ele tinha sido o único homem que a aceitou como ela era, que desafiou todos os costumes da época e assumiu publicamente o romance.”

A morte do amante levou Beija a fechar a Chácara Jatobá, onde recebia os homens e passou a viver na segunda casa, onde cuidava de suas duas filhas.

Roupas e sapatos de Beija podem ser vistos no Museu

O Museu Histórico de Araxá Dona Beija atrai turistas o ano inteiro em um casarão construído no início do século 19, seguindo as características arquitetônicas do período colonial mineiro. Ao longo do tempo, esse casarão serviu de residência no andar superior e, no andar térreo, para um estabelecimento comercial.

Foi criado por Assis Chateaubriand, em 1965, ano em que Araxá comemorou o seu centenário como cidade. Recebeu esse nome em homenagem ao personagem mitológico de Ana Jacintha de São José.

No início era um Museu de Arte e de História. Hoje retrata a história de Araxá, incluindo referências sobre os índios araxás, os colonizadores, os tropeiros e criadores de gado, a descoberta das águas, o universo doméstico e produtivo no século 19, o turismo e Dona Beija.

O acervo é formado por objetos arqueológicos, utensílios domésticos, móveis do século 19, imagens sacras, telas de conhecidos artistas brasileiros e araxaenses, documentos históricos e figurinos. O museu dispõe de uma sala de exposição permanente, no andar térreo, batizada como “Lugar de Memória”. Neste espaço são lembrados vários cidadãos que fizeram a história da cidade por meio de referências pessoais e objetos que identificam suas atuações.

Tem ainda uma sala de multimeios, uma cafeteria e uma loja de produtos artesanais. O prédio do Museu é tombado como patrimônio histórico da cidade.

Garimpo em Estrela do Sul

Em meados de 1853, segundo Pedro Divino Rosa, um cortejo formado por carroças bem talhadas apareceu na subida do Córrego da Onça, povoado de Bagagem (hoje Estrela do Sul). “Uma mulher aparentando riqueza e muito bela comandava o comboio. Era Ana Jachinta de São José que chegava em terras bagageiras”.

Ela passou a morar numa casa grande com uma senzala nos fundos onde ficavam os escravos. “Dona Beija também chegou a tocar garimpo e ganhou muito dinheiro com os diamantes que encontrou”, disse o escritor.

Pouco antes de morrer, dona Beija deixou-se fotografar. Doente, se pôs de pé, apoiada numa cadeira. Em 20 de dezembro de 1873, ela foi enterrada sem caixão, envolta em tecidos de linha, conforme pedira em seu testamento.

Rapto levou o Triângulo a ser mineiro

Para o escritor Pedro Divino Rosa, o rapto da adolescente Ana Jacintha de São José acabou passando para a história como um dos motivos que levaram ao desmembramento do Sertão da Farinha Podre, hoje Triângulo Mineiro, da capitania de Goiás e a sua anexação ao território mineiro.

“O nome Farinha Podre foi batizado assim em referência aos sacos de farinha que os bandeirantes que desbravavam a região deixavam pendurados nos troncos das árvores”, disse o pesquisador. Segundo ele, quando voltavam ao lugar marcado o produto estava apodrecido.

Pedro Divino Rosa conta em seu livro “Dona Beija” que, em 1814, os moradores desta região fizeram um abaixo-assinado a Dom João VI pedindo que a região voltasse para Minas Gerais. Naquela ocasião, o ouvidor Joaquim Ignácio de Oliveira da Motta acabou apoiando os goianos contra o movimento do povo que queria ser mineiro. Seus opositores fizeram então um levantamento da vida do ouvidor e descobriram suas falcatruas, entre elas, a do rapto de uma menina virgem em Araxá.

“Por ter raptado a menor e mandado matar o avô de sua refém, o ouvidor foi denunciado ao governo de Goiás por seus inimigos políticos e corria o risco de perder o posto e ainda ser julgado por seus próprios adversários”, afirmou o escritor.

Segundo ele, para escapar do julgamento, Joaquim Ignácio decidiu apressar a aspiração do povo na região e, em 1816, por um alvará real assinado por Dom João VI, o território conhecido como Sertão da Farinha Podre voltava em definitivo para a capitania mineira.

“Também não houve julgamento”, disse Pedro Divino Rosa. “Um tempo depois Joaquim Ignácio voltaria impune à corte e ainda com o título de benemérito da região. Posteriormente, retornou a Portugal, onde morreu com mais de 80 anos.”

Print Friendly

131 comentários

  1. Por favor,

    Vcs teraim alguma figura ou foto da Dona Beija?

    Muito obrigada, Katia Carneiro.

  2. Prezada Katia,

    em primeiro lugar muito obrigada por visitar nosso site.

    Não temos nenhuma foto de Dona Beija.
    Sugiro que você entre em contato com o Museu Histórico de Araxá – Dona Beija pelo seguinte telefone: (34)3691.7097.
    Relendo a matéria verifiquei um paragrafo onde diz que Dona Beija deixou-se fotografar pouco antes de morrer. Pode ser que não exista nenhum registro fotográfico de sua juventude e beleza.

    Estamos a disposição. Abraços e Sucesso!

    Silvana Losekann
    Secretária Executiva
    Defender – Defesa Civil do Patrimônio Histórico

  3. Gostaria de parabenizá-los pelo artigo acima escrito sobre Araxá e sua mais emblemática cidadä: Dona Beija.
    Desejo-lhes muito sucesso, recursos, constância e forças para que continuem com o belíssimo trabalho de preservaçao histórica do riquíssimo passado colonial brasileiro.
    Um cordial abraço de um mineiro orgulhoso das suas Minas Gerais,
    Alan
    Madrid, 16/01/09.

  4. Telmo Padilha Cesar

    Prezado Alan

    A fonte e o mérito é do Correio de Uberlândia, nós só reproduzimos.

    Agradecemos o seu comentário sobre o nosso site.

    Nele, o que mais nos impressionou foram as palavras “recursos, constância e forças” expressas como complemento de um desejo sincero para a continuidade da nossa existência e trabalho. Evidente o seu conhecimento das enormes dificuldades que suportam aqueles que assumem a missão de “divulgar, valorizar e defender” o nosso patrimônio cultural. Aliás, missão constitucional da sociedade brasileira.

    Obrigado Alan! Feliz 2.009 e preserve!

  5. “Saludos Brasil” Vivo fascinada con la historia, soy de Puerto Rico, vi la novela en 1986 pero quede con la duda de que el lugar donde se banaba se encontro 100 anos mas tarde uno de los diamantes mas grandes del mundo, quisiera que me dieran mas informacion.

  6. > Ver a história do sertão de Minas contada sem enganação ou com enganos nós deixa muito feliz pois acredito que a Dona Beija teve uma importancia muito grande no Triangulo Mineiro onde foi ousada e mostrou sua insatisfação por não ter conseguido realizar seu sonho de viver com seu amado…

  7. gostaria dever fotos de Dona Beija. Anna Jacinta . fotos originais. De como ela era.se realmente parecida com Maitê. Ou de seus descendentes.

  8. E, seria verdade, como insinua a novela, de que ela teria entregado sua virgindade ao vigário?

  9. eu quero uma foto desta mulher quero saber se ela era tão linda como maite proença

  10. TENHO UMA MARTERIA COM FOTOS DA VERDADEIRA DONA BEIJA?! COMO FAÇO PRA ENTRAR EM CONTATO COM KATIA?

  11. Adoro a novela e acho muito linda a historia de dona beija e também admiro muito.

  12. Gostei da materia acima. Gostaria de saber se nos dias de hoje existem descedentes de Beja. Como um treta neto p/ ex.

  13. ACHEI LINDO A HISTORIA DE DONA BEIJA , PENA QUE NÃO HÁ REGISTRO DE FOTOS SUAS.

  14. INCLUSIVE, JA FUI NA KSA ONDE ELA MOROU EM ESTRELA DO SUL, PERTO DE MINHA CIDADE!!!

  15. Acompanho novamente pelo sbt esta história fascinante dessa mulher extraordinário que deu a volta por cima,diante de uma sociedade hipocrita de sua época,o que não é diferente dos nossos dias.Sou apaixonada por Ana Jacinta.Será possivel conseguir uma foto dela?
    Um beijo e parabéns pelo site.

  16. Gostei da história de dona Beja gostaria de saBER SE EXISTE FOTO DELA ANTIGAMENTE

  17. Antonio Martins de Oliveira

    Admirável a história de Ana Jacinta de São José ,gostaria de ve-la numa foto.
    Abraços
    Toninho Oliveira

  18. Sônia Francisca da Silva

    Não tive oportunidade de ver a novela da primeira vez, agora estou seguindo no SBT. Estou fascinada!!!! Sou araxaense e não conhecia bem a história desta mulher ousada…Agora que moro fora, estou mais interessada na história.

  19. Eu tambem gostaria muito de ver a Ana Jacintha verdadeira em foto.

  20. É impressionante como neste país as pessoas dão valor apenas para
    drogados e vagabundos. No caso Dona Beija foi uma prostituta inescrupulosa que maltratava seus escravos, poderia ter tido outra vida com o dinheiro que recebeu do ouvidor. Que sua alma queime no fogo do inferno !

    • Prezado Paulo,
      É, realmente, impressionante, como vivemos num país cheio de preconceitos e ignorância. Pessoas que mesmo sendo “tacanhas”, acreditam que são melhores que outras e que podem julgar seus atos e atitudes. Estas sim é que deveriam temer o risco de queimar no fogo do inferno…

  21. Adorei,sua historia sobre Dona Beja realmente é a mais completa, mas me tire uma duvida, as duas filhas dela era de Antonio?
    E se alguém tiver realmente uma foto “verdadeira” dela coloca pra gente ver, é muito curioso.

  22. A historia de beija mostra a infelicidade a que essa jovem pagou o preço do infortunio ,falta de compreenssao de uma sociedade retrograda, composta por homens que desejavam usufruir da sua beleza e mulheres que bicho invejoso sempre,mulher forte, garra,fitava os andes,merecedora da furtuna suada fruto de um destino infeliz.Espero que deus a tenha dado um bom lugar,pois e merecedora,beija que deus a abençoe.

  23. Gostaria de entrar em contato com Carlos Filho, pois ele tem fotos da
    verdadeira D Beija.

  24. Eu também estou curiosa para ver as fotos da Dona Beija que o Carlos Filhos disse que tem.

  25. Gostaria de saber se não existe nenhun quadro ou gravura de Dona Beija, afinal era comum na epoca retratar as pessoas em quadros ou gravuras. Sendo dona Ana Jacinta do São José dotada de beleza tão exuberante, custo acreditar que nenhum pintor tenha tido do interesse de retratar sua tão magnifica beleza.

  26. Se for possivél gostaria de entrar em contato com Carlos Filho, ele disse ter uma matéria com fotos verdaderias de D. Beija, como faço isso? Obrigada

  27. gostaria também de ver fotos verdadeiras de dona beija.

  28. Amei a história de Dona Beija.Agora reprisando a novela no SBT, não perco nem um capítulo.Mas o que mais gostaria de fazer é visitar Araxá-MG.Além do mais sou de Inhapim-MG e resido em Espigão do Oeste-RONDONIA há 25 anos.Mas certamente vou aparecer por aí…
    Beijos a todos aí de Araxá e conserve bem este Patrimônio Cultural.GRAZIELA

  29. Amei a história de Dona Beija.Agora reprisando a novela no SBT, não perco nem um capítulo.

  30. Gostaria de saber
    se no museu de D.Beja
    tem fotografias dela depois de velha?

    muito obrigada

  31. Parabéns pelas informações sobre D. Beija. Independente de julgamentos que podemos ter ao seu respeito, inegável sua importância para nossa história e nossa cultura, principalmente se levarmos em conta o período em que viveu, os tabus e preconceitos que tiveram que ser vencidos. Para um país tão carente de bons exemplos como o nosso, uma mulher como Beija deixa-nos um legado de Amor, Coragem e Atitude.

  32. Ha e também gostaria de saber se ela teve algum filho,
    e se ela tem algum parente em Araxa,

  33. Gostaria que vocês deixassem uma mensagem e fotos de Araxá para mim. beijos a todods. graziela

  34. amo sua história d, beija para mim foi uma grande heroína da época enfrentou á tudo e a todos por fortes questões moralistas ,tão essenciais para aquela sociedade tão cheia de preceitos.tudo que é referente a d. beija pesquiso quero saber cada vez mais sobre sua real história que me fascina cada vez mais.

  35. OLÁ SOU A JUSSARA MORO AQUI EM PARACATU.
    ESTOU ASSISTINDO TODOS OS CAPITULOS DE DONA BEIJA, GOSTARIA MUITO SE TIVESSE COMO VER UMA FOTO ORIGINAL DE DONA BEIJA.AFINAL MORO NA CIDADE ONDE ELA PASSOU.E FICO CURIOSA DE SABER QUEM FOI ESTA PESSOA DE HISTORIA TÃO INTERSSANTE.
    SE TIVER COMO ME ENVIAR FICAREI INTEIRAMENTE AGRADESCIDA, DESDE DE JÁ MUITO OBRIGADA.

  36. EU ADORO HISTORIA E ESTA DA BONA BEIJA ME ENVOLVEU BASTANTE , E GOSTARIA DE VER FOTOS DELA DESDE JOVEM A IDOSA

  37. Não sou fã das novelas do sbt, mas quando um belo dia troquei de canal e assisti dona beija pela primeira vez, nunca mais perdi um capitulo, á historia é envolvente..e fiquei encantada em saber que ela foi real, pessoa admiravel, historia de vida incrivel…
    Gostaria de ver um foto da verdadeira dona Beija, jovem,idosa ou ambas..c tiver como me enviarem ficarei agradecida.

  38. alguem tem foto verdadeira de dona beija

    foto verdadeira de dona beija

  39. Adorei ler esta materia e nao perco um capitulo da novela no sbt!!!
    Gostaria de ver fotos de d. Beija.
    Seria possivel me enviar e se Carlos Filho tem fotos!!!
    Por favor me envie, ficaria muito grata!!

  40. nossa! esta histria me fascina, me envolvo nela.
    e sendo na época nossa!! é maravilhosa e verdadeira,pois gostaria de ver fotos dela, me enviem por favorrr
    grata! beijuss

  41. gostaria de receber uma imagem ou foto da verdadeira beja de araxá.
    osmar.filho@bol.com.br

  42. oi,eu adoro a novela d.beija e gostaria de saber onde encontrar o livro,ja procurei em varias livrarias mas eles nem sabem de quem se trata.se alguem puder me ajudar,obrigado.

  43. Prezado Carlos,

    você postou um comentário no site http://www.defender.org.br,
    na matéria sobre Araxá – Dona Beija, onde diz que tens
    uma matéria com fotos da verdadeira D. Beija.
    Se visitares o site, verá que tem diversos comentários
    pedindo para ver estas fotos. Se puderes responder aos
    interessados, ficamos agradecidos.

    Abraços!

    Silvana Losekann
    Secretária executiva
    Defender – Defesa Civil do Patrimônio Histórico

  44. GOSTARIA MUITO DE VER A FOTO DA VERDADEIRA DONA BEIJA
    BEIJOS

  45. Como várias pessoas também, sou fascinada pela história de D. Beja.
    Gostaria de saber se o museu existente em Araxá é mesmo a antiga residencia dela? Quanto ao comentário de Carlos filho sobre fotos de D. Beja, não acredito que tenha.

  46. MSRIA HELENA ATROCH

    Ola pessoal,também gostaria de ver um guadro pintado com a figura de Dona Beija.Uma foto é impossível naquela época não havia máquina.Se o Carlos fala que gostaria que mandasse pra o meu e-mail,ficaria muito agradecida.Um grande abraço.

  47. nao perco um capitulo de dona beija;gostaria de saber mais sobre a vida dessa mulher tao guerreira para sua epoca .gostaria de saber do paradeiro de suas duas filhas .gostaria de ver esta foto dela.por favor nos diga como fazer para termos acesso a esta fotografia.

  48. Adoro ler tudo sobre Beja, uma vez lendo os artigos da novela, quando ainda era exebida pela TV MANCHETE, vi um artigo que dizia
    A CHACARA DO JATOBÁ É HOJE UM CONVENTO, e tambem li q DONA BEJA teve uma filha com o vigário da cidade q a reconheceu como filha legitma.e essa filha veio a se casar com seu primo, filho do fazendeiro mais rico da região,OS BOTELHOS e q sempre ela teve como amante um SAMPAIO.
    Embora seus decendentes hoje Dr,s negam seu parentesco com aquela q pra uns foi uma DEUSA pra outros simplismente uma frega,mais q não deixou de fazer HISTÓRIA.

  49. A história de Beija é fascinante!!!
    Como todos que já postaram comentários, gostaria de ver uma foto dela.

  50. quero ver foto original de dona Beija de Araxa.Agradecido.

  51. Prezados,

    Sugiro que tentem contato com o Museu Histórico de Araxá – Dona Beija pelo seguinte telefone: (34)3691.7097. Espero que eles possam atender aos anseios de ver uma foto original de D. Beija. Como podem ver em comentário postado por mim no dia 20 de maio e, ao mesmo tempo encaminhado ao e-mail de Carlos Filho, não recebi do mesmo nenhuma resposta ainda.
    Acredito que o Museu é a única fonte correta para informar se existe alguma foto da verdadeira D. Beija.
    Espero sucesso aos interessados!

    Silvana Losekann
    Secretária Executiva
    Defender – Defesa Civil do Patrimônio Histórico

  52. Cara Silvana, estou tentando comprar algum livro a respeito da Dona Beija. Procurei pelo nome inclusive do autor Pedro Divino Rosa mas não consigui.Como eu faço para obter o livro dele voce sabe?
    Obrigada.

  53. sou facisinada pela historia de dona beija mas gostaria tanto de alguma foto dela sou paracatuense e me encanto ao ver a novela mas por favor achem a foto dela quando ja era idosa para nos vermos

  54. Gostaria de saber onde e como adquirir livros contando a Historia de Dona Beja de Araxa.

    Obrigado!!

    meu e-mail- acfrfraga@ig.com.br

  55. Puxa! Parece que por aqui todos estão estão sofrendo da mesma falta as de fotos de Dona Beija (Ana Jacinta de São José). Por favor se houver alguma forma de consegui-las deixem o endereço para acabar de vez com essa curiosidade.
    Estou na mesma expectativa dos demais, descobrido algo volto e deixo aqui essa desejada imformação. No momento me incluo neste grupo torcendo para que alguém descubrindo alguma imagem dessa ainda polemica mulher que mesmo depois de tanto tempo continua gerando curiosidade por sua beleza e fama.
    A todos um grande abraço e parabens aos que cuidam das memorias desse pais…

  56. Olá!Adorei a matéria descrita aí a cima.Parabéns a todos.
    Bom trabalho com teatro e estou fazendo um trabalho de cultura brasileira e hidtótia do brasil(sou fã de Beija)Gostaria de saber se ainda existem decendentes dela(tatatataraneto..enfim).

    Parabéns novamente pela exelentíssima matéria
    Abraço e Obrigado por cuidarem da história do nosso país

  57. olá ,estou muito curiosa em saber quem são os descendentes de beija e onde estão hoje .Como posso descobrir.

  58. minha mãe adora dona beija e eu assisto junto

  59. ou como faço pra discubrir decendentes de beija? **********************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************

    *****************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************

    *****************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************

    *****************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************

    *****************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************

    *****************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************

    *****************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************

    *****************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************

    *****************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************

    *****************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************

    *****************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************

    v*****************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************

    *****************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************

    *****************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************

    *****************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************

    vv*****************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************

    *****************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************

    v*****************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************

    v*****************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************

    *****************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************

    *****************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************

    *****************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************

    *****************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************

    vvvv

  60. Gente sou fascinada pela história de D. Beija. Fico triste em saber nenhum site ou o museu de Araxá não disponibiliza uma foto ou pintura de Ana Jacintha de são José, já que naquela época era comum fazerem os “auto-retratos”. Se encontrarem a foto que ela deixou fazer dela antes de falecer já doente gostaria que enviassem para meu email ou publicassem. Seria muito bom se podéssemos saber muito mais dessa mulher que em sua época enfrentou tudo e a todos.

  61. ola para todos eu sou de araxa,e como todos tambem adoro a historia de dona beja sugiro que venham visitar a cidade quando puderem,a biblioteca municipal dispoem de muitos livros que contam a historia dela e o barreiro tem a fonte que dizem ela tomava seus banhos!!!

  62. jamille de oliveira felicio

    Gostaria de mais sobre ela e sobre a chacara do jatba

  63. acho um pouco contraditorio,pois li a biografia,e dizia que beija morreu no quarto do fundo de sua casa,com lençoes de algodão,e toda enchada pois parecia sofrer naufragia nos rins.Será que entendi errado?Eno dia de sua morte estava chovendo,pois ela dizia que gostaria de morrer em um dia ensolado.

  64. penso em achar algo sobre essa polêmica e marcante mulher que boa ou má marcou e foi além da sua época…gostaria de saber mais dobre a sua bigrafia…

  65. Essa foto de Dona Beija deve está guardada à mais de sete chaves com seus herdeiros, se mostrar acaba a mística a aura de sua beleza, e se ela errou ou fêz o que fêz, isso foi problema dela, se julgarmos hoje estamos vendo com os olhos de hoje, e não da época, seremos preconceituosos do mesmo modo.
    Hoje têm coisa muito pior. Uma coisa é verdade ela casou as filhas muito bem, com gente da mais alta sociedade na época,e imagino quantas joias e pedras e vários objetos seus herdeiros herdaram.
    É melhor ficar a aura e imagem de beleza dela, aliás onde ela está sepultada, pois em 1873 deve já ter sido transferido seus restos para outro lugar. Parece que a chácara não existe mais, e sua casa também não.

  66. O Projeto Sempre Memória, do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), promovido pela Memória do Judiciário Mineiro (Mejud), apresenta no “Fato do Mês” de abril de 2009, o inventário dos bens de Dona Anna Jacintha de São José, conhecida pelo apelido de Dona Beja.
    A mostra permanecerá no Palácio da Justiça (Av. Afonso Pena, 1420, Centro, em Belo Horizonte) de 14 a 17 de abril. Devido a seu caráter itinerante, poderá ser vista também na Unidade Raja Gabaglia (de 22 a 24 de abril) e no Fórum Lafayette (27 a 30 de abril).
    Dona Beja faleceu em 1873 e seu inventário data de 1874, na cidade de Bagagem. Tem como herdeiros sua filha, Dona Joana de Deus São José, e seus netos, filhos de sua filha já falecida Dona Theresa Thomásia de Jesus. Compõe-se de jóias, objetos de prata, móveis, escravos e propriedades.

    Memória

    A Memória do Judiciário Mineiro (Mejud) foi criada em 1988, pelo desembargador José Arthur de Carvalho Pereira, então presidente do TJMG. Atualmente, está sob a superintendência do desembargador Hélio Costa, ex-presidente do TJMG.
    O Museu da Memória do Judiciário Mineiro é localizado no Palácio da Justiça, à Av. Afonso Pena, 1420, andar térreo. Está aberto a visitação pública de segunda a sexta-feira, das 12h30 às 18h30.
    Assessoria de Comunicação Institucional – Ascom
    TJMG – Unidade Goiás
    (31) 3237-6551

    ascom@tjmg.jus.br

  67. Curiosidade:
    Dona Beja faleceu em 1873 e seu inventário data de 1874, na cidade de Bagagem. Tem como herdeiros sua filha, Dona Joana de Deus São José, e seus netos, filhos de sua filha já falecida Dona Theresa Thomásia de Jesus. Compõe-se de jóias, objetos de prata, móveis, escravos e propriedades.

  68. OI MEU NOME É NORMA E ESTOU ACOMPANHADO A NOVELA DONA BEIJA E ESTOU ACHANDO MUITO INTERESSANTE. E TENHO MUITA CURIOSIDADE DE VER FOTOS DE DONA BEIJA, COMO QUE ELA ERA NA VIDA REAL, NA SUA JUVENTUDE E SE POSSÍVEL IDOSA TAMBÉM. SE VOCES CONSEGUIREM ME MANDEM POR E-MAIL, POR FAVOR. MUITO OBRIGADO PELA ATENÇÃO E PARABÉNS PELA A MATÉRIA.

  69. eliane maria rocha cunha

    Queridos menieiros e mineiras,

    não obstante sua vida pregressa e cheia de nuances “pouco recomendáveis” pelos hipócritas, admiro esta mulher que teve a oportunidade de desafiar a canalhice dos homens e a inveja das mulheres.
    Além do que foi uma personagem inportantíssima para a história mineira.
    A maldade, o pecado na verdade estão nos olhos de quem vê…
    Ela viveu transgressoramente sua época e merece o meu respeito!
    Viva D. Beija…linda e corajosa!

  70. Olá.. assisti D.beija na primeira vez na rede manchete e agora no sbt. como aguçou minha curiosidade, visto que na primeira vez que passou era muito jovem, hoje aos 32 anos estou totalmente apaixonada pela historia, e quero me aprofundar, ver fotos dela e de seus descendentes e saber quem são e o que fazem hoje?! Será que estou querendo demais??? se alguem puder me ajudar.. meu e-mail é: elkemaryf@hotmail.com
    Obrigada

  71. A revista Manchete, quando da primeira exibição da novela, publicou uma matéria com uma reportagem com alguns dos descendentes de Beija, e me parece que Beija se deixou fotografar duas vezes, a primeira com quarenta e poucos anos e outra pouco antes de morrer.
    A revista reproduziu a primeira foto, e a foto mostrava uma beleza bastante angelical, bem diferente do que se imagina numa “mulher fatal”. Infelizmente não tenho mais a revista, senão eu disponibilizaria para todos. De qualquer forma, seria interessante procurarmos esse número da Revista Manchete e inserirmos o link com a foto dela nesse site.

  72. gostei muito mais gostaria mais aida de ver uma foto dela

  73. Estou graduando em Licenciatura Plena em Historia

  74. estou apaixonada nunca irei esquecer a historia dessa mulher maravilhosa lutadora e sofredora .
    como queria ter vivido naquela epoca pra ver de perto tudo aqui
    mais ta valendo mesmo assim adimiro dona beija e o verdadeiro amor.

  75. 45. Dona Beija é excelente sim, precisamos sair da ficção e cair na real.

    O Silvio poderia agora reprisar a Marquesa de Santos. Na Marquesa vamos conhecer muitas coisas do Brasil Império, coisas que não nos ensinaram na escola.

    O amor doente que Dom Pedro tinha com a Titilha, tão doente que comprou um palacete pra ela, afrontado a Imperatriz. Deu uma surra na esposa grávida por causa da amante. Foi nesta novela que eu descobri que ele tinha uma filho de 17 anos e que só soube do filho quando ele estava pra ser fuzilado e para evitar um escandâlo nada fez pelo filho.

    Ele fechou o teatro no momento da apresentação porque não deixaram a amante entrar em respeito a Imperatriz que também estava assistindo a peça. Nesta novela também veremos os títulos de nobreza que ele deu pra toda família da amante. Só poderemos ver esta podridão revendo a Marquesa de Santos.

    A novela é linda demais.

  76. Maria Tereza Silva

    Sou apaixonada pela historia de dona beija acompanho a novela no sbt,porem acho que a emissora deveria dar mais espaço a uma historia tao bela,começa cada dia em um horario,cortaram as cenas dos proximos capitulos,e um absurdo, o que esta emissora faz.Gostaria de saber tudo sobre dona beija,conheço a cidade de araxa,e a suposta fonte dela,tudo parece magico e simplismente de mais.Ela foi um exemplo de mulher.Quem souber mais sobre beija por favor entre em contato,mariaterezasilva@rocketmail.com .Parabens,a pessoa que criou este texto.

  77. Parabééns, assisto a novela todos os dias…
    Adoro ela !

  78. Gente no orkut possui uma comunidade (Descendentes da Dona Beja), lah possui uma foto dela e fala sobre seus descendentes. Espero ter ajudado. T+

  79. elisabete sumberg

    hoje dia 04/07 é o ultimo capitulo de DONA BEIJA, fiquei muito triste que o SBT não anunciou antecipadamente o ultimo capitulo, então gostaria de saber se realmente este capitulo não foi cortado antes do fim real desta novela pois me lembro qdo assisti pela manchete havia muito mais historia, se alguem que assistiu naquela epóca se lembra por favor me escreva

  80. João Pedro Cougo

    Tenho 16 anos, hoje vi o último capítulo de Dona Beija, segui toda a novela, e penso comigo mesmo depois de ler várias e váris coisas sobre Dona Beija pela internet,é algo tão fascinante,algo que mexe comigo, que de certo modo não posso explicar.
    Um dia que não sei quando, irei a Araxá, e sabe: pesquisarei e pesquisarei, e assim guardar um mínimo de emoção do que Dona Beija representa para mim.

  81. Olá elisabete,
    Realmente houve cortes impiedosos na novela. Na época que a rede manchete estava no auge, produzia novelas melhores do que as da globo, investia em grandes produções e por isso contava as história bem devagar com riquezas de detalhes, essas novelas duravam de 10 a 12 meses, nunca menos do que isso. Se o Silvio tivesse exibido a novela na íntegra, teria alcançado mais pontos no ibope, do que a novala da mulher dele, que pelo amor de Deus, que novelinha ruim.

  82. Caro carlos, e colegas que estão me lendo neste momento, peço-lhes encarecidamente que por favor me postem alguma foto desta extraordinária mulher, me enteressei muito em sua história. Meu email é: xakaucostagt@hotmail.com, agradecido.

  83. Me emocionei muito com essa novela que conta a historia de dona beija,assim como meus colegas gostaria muito de poder ver sua foto se ela existisse.Parabens pela novela principalmente a Maite P.

  84. como falou elizabeth acima, se silvio investisse mais nas novelas da manchete em vez de ta querendo promover a filha com essas novelinhas bestas, ele certamente teria mais ibope na sua audiencia. como pode cortar tantas cenas importantes da novela pantanal e agora de d. beija para passar essa novelinhas q mais parece teatrinho de escolinha. ô meu q mal gosto compras as novelas e sai cortando tudo q e cena boa

  85. Adorei a historia de dona beija,Gostaria de saber se ainda existem decendentes dela e fotos ou pinturas dela… obrigado

  86. muito legal essa historia é a mais completa q vi
    queria muito ver fotos dela
    vcs sabe algum site?
    obg!!
    vcs tem alguma foto dentro do lugar onde ela morava??
    se tiver coloca no site ai
    eu gostei muito desta historia!!!

  87. Gostaria demais de ver fotos e saber se existem descendentes de D. Beija. Se alguém tiver me envie, por favor, ficarei muito agradecida.

  88. Halfed Ferreira Costa

    Para mim foi como um presente do SBT, tendo em vista o resgate da história do sertão mineiro. Quando assisti a primeira vez , ainda era menino e revendo a novela, quantas lembranças de uma hist´ria tão bonita.
    Gostaria se possivel, que o site me enviasse uma foto da verdadeira Beija e desde já confesso, este ano visitarei Araxá.
    Parabens ao Site pela iniciativa.

  89. Oi Carlos! Vi q vc tem uma matéria com a imagem de Dna Beija! Por favor, se puder, peço a gentileza de m mandar o mais rápido possível.Sou fã de carteirinha da história dela! ls_cg@uol.com.br. Um grande abraço!

  90. Gente, alguém pode me tirar uma dúvida?! Dizem que a casa da Dna Beija é uma pensão. Mas e a casa que abriga o museu Dna Beija, foi construída por ASSIS CHATOBRIAMT, não é a verdadeira cada de Beija? Afinal qual das duas foi mesmo a casa de Beija, a pensão ou o museu?. Pessoal, quem souber de alguma coisa, por favor, não deixem de responder.Um abração!

  91. Olha só, andei pesquisando na net, e encontrei um material valiosíssimo… geralmente não confio em monografias, pq vc sabe como é aluno né?! cltc + cltv….mas eu descobri uma monografia do curso de mestrado de uma professora de história da faculdade de Uberlândia que está revelando a “verdadeira dna Beija”. É o seguinte: ela morou durante 19 anos em Araxá, e coincidentemente foi contratada pela prefeitura um tempo atrás junto com outras pessoas para procurar, separar,recuperar e catalogar documentos que contivessem alguma coisa sobre Dna Beija, pois as pessoas que visitam o museu Dna Beija sempre tem curiosidades e perguntas, e como não tem muito material disponível, a prefeitura contratou a pesquisa… Bem, a monografia, tem 277 pgs. Ela procura confrotar o mito, a lenda, com o resultado da pesquisa feita nos cartórios, judiciário, etc….Ela deixa de lado o lado subjetivo e leva em conta apenas o que consta dos documentos! Estou apenas na pg 93 e estou passsmma! A Thereza Tomazia é filha dela com o vigário. Tanto é verdade que ela tem o nome da mãe do vigário, ele próprio a registrou como filha, além de ter deixado para ela (Thomázia), deixou também para Beija uma boa parte de sua fortuna. Outra coisa que comprova que Tereza era filha do vigário, está relatado em um processo de reclamação de herança que Dna Beija moveu contra os Botelhos anos mais tarde. O Botelho alega que Tereza era filha “sacrílegea” dela com o vigário e a própria dna Beija no relato de sua defesa confirma que sim! Outra coisa: o vigário era parente bem próximo dos Botelhos, daí vem a possibilidade de Tereza ter se casado com um deles! Enfim, tem muitas outras revelações…Parece q nosso vigário era uma pessoa que praticava negócios escusos, haviam denúncias contras ele. Além da filha que teve com Beija, teve 2 filhos com outras duas mulheres com que teve caso, mulheres casadas, na qual a autora cita o nome das referidas mulheres e seus respectivos maridos. O vigário reconheceu esses dois filhos como seu. Tudo indica que Dna Beija exerceu o comércio varejista. Enfim, tem revelações q não param por aí, e todas são embasadas nos documentos pesquisados. É uma leitura de alto nível. Essa professora entrevistou tb, pessoas idosas que diziam ter conhecido alguém que conhecia Dna Beija! Eu confio nessa monografia por ser de uma professora universitária defendendo sua tese de mestrado! Não ia se queimar copiando e colando. Mas agora a minha dúvida é a seguinte: qual das duas casas foi a verdadeira casa de Dna Beija, a pensão Tormim ou a que serve de Museu Dna Beija? Gostaria que se alguém soubesse, postasse a resposta. Grata!

  92. Oi Ana, tudo bem? Gostaria de ter acesso a essa monografia. Como faço? Após o término da novela, estou me sentindo orfã, pois eu amava acompanhar essa história. Muito agradecida, Luciana

  93. Oi Luciana, entendo como se sente, pois sou fã de carteirinha da história dessa intrigante personagem e sempre que posso vou em busca de novas informações.E a boa notícia é: me enviaram uma foto dela aos 38 anos de idade que foi publicada em um artigo da revista manchete de 1986, que poderei estar enviando para vc também. Basta vc e qualquer pessoa que tiver interesse enviar um e-mail para ls_cg@uol.com.br. Até breve e um grande abraço!

  94. Entrei no orkut comunidade Descendentes de Dona Beija, tem uma foto na página, mas não dá pra ver muito bem, esta foto já deve ser dela com mais idade, dá pra perceber aumentando bem a página que ela tinha os traços finos de rosto, o dono da página explica quando ela era jovem a época a fotografia ainda não era conhecida no Brasil, mas em 1870 e pouco sim, então daí em diante dá pra confiar em fotos desse período antes não.

  95. Mandei um e-mail pra vc e esta voltando. Se vc puder, manda pro meu: lgiacomo24@yahoo.com.br
    Obrigada!

  96. Oi Ana, a mensagem acima é pra vc. Bjinhos.

  97. clelia aparacida couto de souza

    adorei a materia. gostaria de saber mais sobre as filhas de dona beija.se tevemais filhos e muito mais coisas…

  98. wislane marques de lima guedes

    Olá,Ana
    fiquei naturalmente curiosa pra ver a foto de
    Beija e se puder me fazer a gentileza de me en
    viar a foto; ficarei des de já imensamente agradecida.
    o meu email é wislanel@yahoo.com.br.
    um abraço!!!

  99. Olá Ana!!
    Também estou curiosa para ver a foto.
    Se puder mandar para meu e-mail: maritabarros@gmail.com
    Por favor, como conseguiu a monografia?
    Em algum site?
    Se for através de site pode me passar o endereço?

    Grata
    Marita

  100. dona beija morreu do que???
    onde?????????
    onde se localiza o corpo dela???????
    suas filhas ja morreram????????
    onde????????
    onde se localiza o tumulo de dona beija???????
    e o do amor da vida dela???????

  101. oi marcela, se quiser deixe o seu email que te mando uma monografia sobre a vida dela, com todos esses detalhes. Abraços. Ana.

  102. Carlos Filho

    Por favor, me envia a foto da d. Beija.
    Ana, poderia enviar-me a monografia?

    katiasuzane@hotmail.com

    Abracos, Katia.

  103. Onde ela morreu, as filhas estão vivas, onde foi seputa?
    Ele que nunca conseguio ser feliiz…
    uma historia linda porem com muito partes triste…
    seu amor.. grande que nunca pode ser realizado…

  104. Também gostaria de ver fotos de Dona beija, se tiver fotos dela mesmo…

  105. Oi Elias, tem foto e tem a monografia q foi comentada aqui no site. Me envia seu email que eu te mando. Abraços. Ana. ls_cg@uol.com.br

  106. Wanderly da Costa Pereira

    Não entendendo porque continuam a difundir esta história romancesca sobre ‘Dona Beja’. A única coisa que a diferência das mulheres da época em ela que viveu, é fato de ter sido mãe solteira, ter alguns amantes – que eram de conhecimento público – e ter conseguido juntar bens que davam independência financeira. A história glamourosa foi criada por um memorialista, Sebastião de Affonseca e Silva, que viveu no Araxá no início do século passado, e publicada em um semanário. Daí em diante foi divulgada e transmitida como verdadeira.
    Chega!

  107. Ana,você falou que tem foto,documentorios de D’Beija,como ela morreu,morreu de que?Etc…Me mande Por Favor(lucasgustavoba@bol.com.br)Gostaria muito de saber mais sobre ela,pois minha vó me fala muito sobre a história de Dona Beija.

  108. Ana, gostaria de ver a foto de dona beja com 38 anos que vc diz ter disponível e a monografia. desde já agradeço a atenção.

  109. ei eu tambem queria ver fotos de dona beija ou do casarão e da chacara do jatoba se possivel agradeço desd de já e bjss saibam todos que sou fã de dona beija acho linda a historia ela me encanta

  110. Ola a todos .Meu nome e Marcela sou argentina,falo portugues ja que adoro essa gente e esse pais.Nesta semana va comecar Dona Beija na televisao.Eu,ja tinha assistido a novela quando morava em Uruguay,mas agora me traz lembrancas de meu pai, que ele morava na Argentina e quando eu ligaba para ele falaba da novela ja que em bs as estava mais adiantada.Bom gente eu estou escrivendo para saber se alguem,poderia mandar_me a letra da cancao da apertura ja que e muito bonita,e nao posso ouvirla bem no youtube.
    Gostei muito tambem de leer a parte historica.
    Bom muito obrigada pelas informacoes espero sua resposta.

  111. gostaria de receber foto e materias de donna beija se alguem me enviar agradeço desde ja !!!!

  112. Fico sempre emocionado em saber que meus antepassados, tanto Montadon ou Dumont, tiveram o privilegio de viver esta epoca… e ate um tio-trisavo casou com Clementina neta de Beija.

  113. sou fascinada pela historia da dona beija,talvez por ter sido interpretada por maite proença,no auge de sua beleza,nos faça ficar mais curiosa a respeito da beleza de dona beija.sera que ninguem tem auna foto original da verdadeira ana jacinta de araxa?

    me decepcionei um pouco.esperava ver uma foto da dona beija,original.

  114. hola soy de argentina, quisiera saber si tienen la fotografía de Beija del año 1873 o algun retrato de ella… me encantaría saber si verdaderamente fue tan hermosa como dicen, me gusta mucho su historia y vi su novela, además desde que nací me apodan Beija por la novela que pasaron aca en 1989.
    Espero respuesta!

  115. Eu também sou curiosa pra ver uma foto dela ou uma pintura e ja descobri uma pintura dela, no youtube alguem fez uma filmagem no Museu Dona Beja claramente Araxa, deduzo que seja ela pela beleza! tambem fico aqui aguardando essa famosa foto! ela era uma mulher alem do seu tempo e penso que ela realmente fosse linda, mas, acredito que sua beleza tambem se deveu ao fato de ela desbravar uma epoca com ousadia, pq naquela epoca as mulheres eram cheias de “pudores”!! ja imaginaram alguem mesmo nos dias de hoje, a cavalo, nua nas ruas de sua cidade?? ela realmente era do outro mundo!!

  116. gostaria de saber onde encontrar a cópia completa do testamento de Dona Beja.
    fico muito agradecida.
    dete amaral

  117. Gostaria muito de saber sobre os descendentes de Dona beija e se os móveis do museu são da época dela.

  118. Olá pessoal!
    Eu e meu grupo da faculdade iremos apresentar um seminário
    a respeito da história de Dona Beja. Encontramos um livro
    chamado “Dona Beja Desvendando o mito”, de Rosa Maria Spinoso de Montandon, que contém algumas fotos e imagens não só da famosa Ana Jacinta de São José, mas da cidade, do museu… enfim, quem tiver interesse está dada a dica.

  119. OH, AMADOS!!! EU TAMBEM AMEI A HISTÓRIA DE BEIJA!
    AH, COMO EU DESEJO SABER MAIS A RESPEITO DE BEIJA VIU?
    QUERO MUITO ADQUIRIR O LIVRO QUE CONTA A HISTORIA DELA.
    QUERO TAMBEM VER AS FOTOGRAFIAS DELA DOENTE!
    PARABENS POR ESSE TRABALHO TAO MARAVILHOSO TA?
    UM BEIJÃOOOOOOOO

  120. MEU QUERIDO, ME DIZ COMO ADQUIRIR O LIVRO???
    UM BEIJO!!

  121. Estou muito emocionada em ler toda essa história, podem nem acreditar mas quando comecei a ler passei mal e cai, só então descobri porque me atrai tanto a história de d. Beija. creio que tenho um vinculo muito forte com d. Beija…desde criança sonho comigo morando em um casarão enorme, com muitos tecidos em minha volta, muitas jóias,com um barro estranho…Não sei o que acontece. Obrigada por publicarem essa história ela é totalmente verídica.

  122. me fascina a hisatoria de dona beija, assim como, a historia da marquesa de santos, gostaria realmente de receber no meu email fotos das duas personagens famosas em nossa historia do brasil colonia. essas personagens sao de grande valor para a historia do Brasil e muitas vezes nao nos tocamos neste valor historico. deve existir outras como a escrava xica da silva e por ai vai….

  123. dona beija… a dona de araxá,fascinante pagina da historia de Minas e Do Brasil.
    dona beja´,xica da silva e tantas mulheres….bravo essas mulheres ke faz parte da historia do Brasil

  124. quero saber quando,d´beja nasceu,e quando faleceu?quanto tempo ficou morando em araxa?

  125. As filhas de Beja foram registradas como filhas do vigário conforme o costume da época para filhos de mãe solteira e não porque seriam de fato filhas dele. Tanto é que os sobrenomes das meninas eram algo como “do Espírito Santo”. Para a época seria inconcebível que um homem registrasse como seu o filho que teve com uma amante. No Museu de Dona Beja em Araxá existem estes registros. Portanto, esta tal “monografia”, se insinua que Beja teria tido relacionamento com um vigário, divulga dados equivocadamente. Não acreditem em qualquer coisa que é posta na net sem pesquisar, OK?

  126. A respeito de imagens de Beja: não existe nenhuma foto. A pintura no Museu de Dona Beja retrata Maitê Proença caracterizada para a novela. Outras pinturas são de como os artistas a imaginavam. Mas há uma foto no Museu de uma de suas descendentes e família.

  127. Pessoal não sei se é verídica, mas encontrei uma foto da Beja, me parece que é a única, foi tirada pouco antes de sua morte.
    http://www.campograndenoticias.com.br/brasil/restos-mortais-de-dona-beija-podem-ter-sido-encontrados-em-minas.htm

  1. Pingback: Defender

  2. Pingback: Teresa

  3. Pingback: @Fans-FabianRios

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>