ES – Patrimônios culturais que passaram por restauração são entregues no Sul do Estado

Os sítios históricos de Muqui e São Pedro de Itabapoana receberão, na próxima sexta-feira (12), visita técnica para entrega de dois imóveis tombados que foram restaurados e reformados. As obras na Residência Toninho Furtado, em Muqui, e na Pousada da Geralda, no distrito de São Pedro do Itabapoana, em Mimoso do Sul, foram realizadas com recursos do Fundo de Cultura do Estado do Espírito Santo (Edital 017/2015 – Patrimônio Arquitetônico Tombado) e complementadas com recursos dos proprietários.

Dentro da programação em São Pedro do Itabapoana haverá também Oficinas Participativas, no sábado (13), além da exibição do filme Narradores de Javé, na sexta (12). As oficinas propõem conhecer as memórias coletivas da comunidade em um projeto de Educação Patrimonial. Esta atividade será produzida por meio da elaboração conjunta de desenhos e mapas que traduzam histórias vivenciadas pela comunidade, tendo como protagonista o Patrimônio Cultural do local.

Participarão da visita o secretário de Estado da Cultura, João Gualberto Moreira Vasconcellos, a equipe da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), a superintendente do Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no ES, Elisa Taveira, além de representantes dos municípios de Mimoso do Sul e de Muqui.

As obras seguiram as diretrizes das resoluções do Conselho Estadual de Cultura (CEC), que criam condições para preservação, conservação e valorização dos imóveis que estavam danificados com o desgaste do tempo e da falta de manutenção.

Residência Toninho Furtado – Muqui

Após 12 meses de reforma, a “Residência Toninho Furtado”, em Muqui, ganhou intervenções em toda a edificação, permitindo que o imóvel mantivesse a utilização residencial, ampliando seu uso para oferecer hospedagem no sistema “Cama & Café”, que consiste num espaço adaptado para receber turistas.

Pousada da Geralda – São Pedro do Itabapoana

A Pousada da Geralda, uma das primeiras pousadas a se estabelecer no distrito de São Pedro do Itabapoana, ganhou obras de revitalização que contemplaram a reforma no restaurante e na cozinha. O restaurante é referência no sítio histórico, além de ser um importante ponto de visitação dos turistas durante o Festival de Inverno da Sanfona e da Viola, evento anual que acontece no mês de julho.

Programação das oficinas em de São Pedro do Itabapoana

 Dia 12/05 (sexta-feira)

19h30 – Cinema na Praça

Filme Narradores de Javé (2003, direção: Eliane Caffé. Duração:100 minutos)

Sinopse: uma comunidade formada por analfabetos recorre ao ex-carteiro da cidade para escrever a história do vilarejo antes que a construção de uma represa artificial possa alagar por completo o local.

Após a exibição haverá uma roda de conversa com a comunidade

Local: Praça do Sítio Histórico de São Pedro do Itabapoana.

Dia 13/05 (sábado)

9h – Atividade com adultos e idosos.

14h – atividades com crianças e jovens.

16h30 – exposição de material produzido.

Local: Escola Municipal EF Catharina Giovanini Faber, Rua das Tabuas Sn, Centro.

Fonte original da notícia: SECULT/ Secretaria do Estado do Espírito Santo




Fortaleza da Barra, em Guarujá (SP), torna-se candidata a Patrimônio Mundial pela Unesco

Candidatura foi formalizada durante o Seminário Internacional de Fortificações Brasileiras, promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Fortaleza da Barra, em Guarujá, pode se tornar Patrimônio Mundial pela Unesco. (Foto: Ivair Vieira Jr/G1)

A Fortaleza da Barra Grande de Santo Amaro, localizada no bairro Santa Cruz dos Navegantes, em Guarujá, no litoral de São Paulo, tornou-se candidata a Patrimônio Mundial pela Unesco, juntamente com outras fortificações brasileiras.

A candidatura foi formalizada durante o Seminário Internacional de Fortificações Brasileiras – Patrimônio Mundial, promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em parceria com os ministérios do Turismo, Cultura e Defesa.

Segundo a prefeitura de Guarujá, o conjunto de fortificações é formado por construções localizadas no Amapá, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Rio Grande do Norte, Paraíba, Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina.

De acordo com o Iphan, todos os fortes são produtos da ocupação marítima portuguesa e holandesa. As estruturas são remanescentes dos séculos XIV a XIX e representam, com fidelidade, as construções defensivas implantadas à época nos pontos que serviram para definir as fronteiras brasileiras.

Segundo a prefeitura, para conquistar o título, a Fortaleza da Barra terá de seguir as exigências estabelecidas no seminário. Ao final do encontro, autoridades dos governos Federal, Estadual e Municipal assinaram a Carta de Recife. O documento elenca diretrizes que fomentam a participação social na gestão das fortalezas, a fim de mantê-las atuante tanto no papel ambiental, arqueológico, arquitetônico e paisagístico quanto no de salvaguarda da história e cultura nacional, com iniciativas de educação patrimonial.

Fonte original da notícia: G1 Santos




Camaquã (RS) – Projeto trabalha educação patrimonial, material e ambiental nas escolas

Foto: Júlio Santos

Foto: Júlio Santos

Desde o dia 31 de março, a Secretaria da Cultura, Turismo, Lazer, Desporto e Juventude, em parceria com a Secretaria do Meio Ambiente e a Secretaria de Educação, vem desenvolvendo nas escolas municipais o Projeto “Educação Patrimonial, Material e Ambiental”. O objetivo é ensinar aos alunos a importância da valorização e preservação dos prédios históricos de Camaquã e da natureza. O projeto está sendo desenvolvido pelos professores Paulo Vianna Sant’Anna e Rafael de Melo Sofia. Os alunos tem demonstrado entusiasmo em conhecer e valorizar o patrimônio.

Fonte original da notícia: Gazeta Regional




PB – Caderno Temático nº 05: Educação Patrimonial: políticas, relações de poder e ações afirmativas

Reprodução capa.

Reprodução capa.

A Superintendência do Iphan na Paraíba, por meio da Casa do Patrimônio da Paraíba, apresenta o 5º número da série dos Cadernos Temáticos de Educação Patrimonial.

Intitulado “Educação patrimonial: políticas, relações de poder e ações afirmativas”, o Caderno Temático traz um panorama de reflexões teóricas e relatos de experiências que demonstram a diversidade de ações e pensamentos que estão sendo produzidos em torno do tema, tanto dentro como fora da academia. Além disso, os artigos produzidos indicam como as reflexões têm avançado teoricamente e como as práticas descritas se relacionam com as atuais diretrizes para a educação patrimonial defendidas pelo Iphan e divulgadas na sua publicação “Educação patrimonial: histórico, conceitos e processos”, amplamente disseminada a partir de 2014.

Com a edição de seu quinto número, a série de Cadernos Temáticos de Educação Patrimonial consolida-se como um importante instrumento de referência, em nível nacional, para pesquisas, ações e projetos que envolvam a prática educativa aliada à gestão do patrimônio cultural.  Busca, ainda, contribuir e incentivar a produção de conhecimento na área e democratizar o acesso às reflexões e práticas no âmbito da educação patrimonial.

Os campos de conflitos que envolvem a gestão e a apropriação do patrimônio cultural, a transversalidade da educação patrimonial, a participação de diferentes atores sociais na concepção de políticas para área, entre outros, são temas que permeiam esta publicação e que procuram provocar novas reflexões e ajudar a (re)pensar sobre as lacunas ainda inerentes ao campo da educação patrimonial.

Acesse abaixo todos os cadernos

Caderno Temático 01

Caderno Temático 02

Caderno Temático 03 (parte 1)

Caderno Temático 03 (parte 2)

Caderno Temático 03 (parte 3)

Caderno Temático 04

Caderno Temático 05

Fonte original da notícia: Casa do Patrimônio da Paraíba




Bahia – Ações educativas do Ipac estimulam preservação do patrimônio

Foto: Divulgação/GOVBA

Foto: Divulgação/GOVBA

Estimular na sociedade a preservação do patrimônio cultural por meio de atividades criativas e divertidas voltadas às crianças. Este é objetivo das ações educativas desenvolvidas pela Secretaria de Cultura do Estado (Secult), por meio do Instituto do Patrimônio Artístico Cultural da Bahia (Ipac), que teve, entre outros resultados, a criação de personagens inspirados em patrimônios material e imaterial.

De acordo com o diretor geral do Ipac, João Carlos Oliveira, o fortalecimento da cultura brasileira deve ter a educação como principal aliada. “Dentro dessa visão de que temos que melhorar a educação de forma geral, temos um recorte importante, que é a preservação do patrimônio cultural brasileiro e, no nosso enfoque, o patrimônio cultural baiano. Conseguimos criar políticas específicas na estrutura do Ipac, junto com a comunicação e o Setor de Educação Patrimonial, pensando em dinâmicas para conversar com a sociedade e ela compreendesse o nosso papel institucional e também suas responsabilidades”.

A educação patrimonial é o tema da nova edição da série Nossa Cultura, produzida pela Secretaria de Comunicação do Estado da Bahia (Secom).

Fonte original da notícia: Secom – Governo do estado da Bahia




Mariscote: Um símbolo para preservação de Torres (RS)

pag 21 - mariscote

Chegou mais um guardião da natureza torrense! O Mariscote – personagem que lembra um marisco ‘bicuira’ – faz parte da Cartilha de Educação Patrimonial e Ambiental do Projeto “Torres – Minha História, Nosso Mundo!”. O projeto tem financiamento via Funcultura/Compcult – (da Secretaria de Cultura e Esporte/ Prefeitura Municipal de Torres).

Conforme informou o historiador, professor e colunista de A Folha, Leo Gedeon, o Mariscote nasceu na Escola Municipal Fundamental Zona Sul, “com o desejo e compromisso da meninada em preservar os elementos históricos e naturais do Parque José Lutzenberger e o Parque Estadual de Itapeva (PEVA) valorizando as manifestações da cultura popular das comunidades de entorno: os bairros Dunas, Guarita e São Francisco! Este mascote que esbanja identidade e carisma surge da sensibilidade do ilustrador Jorge Herrmann e da parceria do biólogo Jonas Brocca. Particularmente, é um projeto muito especial na minha carreira de Educador/Pesquisador, pois é minha primeira publicação paradidática voltada para o público estudantil”, concluiu Gedeon.

Esta cartilha, que contextualiza o simpático Mariscote, será distribuída na comunidade escolar da Escola Zona Sul e nos bairros de entorno dos parques da Guarita e Itapeva (Dunas, São Francisco e Arroio), O lançamento oficial a escola irá organizar no inicio de agosto, ainda sem data definida.

Fonte original da notícia: A Folha




Equipe editorial da revista “Cultura histórica & Patrimônio” divulga novo número

Publicação eletrônica é disponibilizada por meio da plataforma Open Journal System.

20160707072845

A equipe editorial do curso de História da UNIFAL-MG, divulgou novo número do periódico “Cultura Histórica & Patrimônio”.

“Com o lançamento do segundo número do terceiro volume, a revista Cultura histórica & Patrimônio, do curso de História da Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG), alcança a sua sexta edição e preserva a busca pela qualidade e diversidade de artigos e autores com textos acerca das temáticas de patrimônio histórico e cultural, cultura política e educação patrimonial”, apresentam os editores.

Os artigos reunidos nesta edição estão agrupados em torno de abordagens sobre monumento, educação patrimonial e museu; reflexões sobre a trajetória no tratamento dado pelas instituições à memória nacional e/ou local e as diferentes formas de se conceber a organização, o acesso e a preservação dos bens patrimoniais e outras discussões sobre temas relacionados à cultura política. A seção “Resenhas” traz o tema “Educação Patrimonial: histórico, conceitos e processos” de autoria de Pedro Vagner Silva Oliveira.

A revista pode ser acessada pelo sistema de gerenciamento e publicação Open Journal System, que tem o intuito de expandir e melhorar o acesso ao conhecimento.

Confira: https://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/cultura_historica_patrimonio/index

Com informações: Walter Francisco Figueiredo Lowande, professor do Instituto de Ciências Humanas e Letras da UNIFAL-MG

Fonte original da notícia: ASCOM – Universidade Federal de Alfenas




Feliz (RS) – Antigo cinema deve virar museu e cervejaria

Projeto de restauração do Casarão Noll foi apresentado na Espanha.

Projeto também foi apresentado à comunidade e estudantes participaram de várias atividades /Diego Leonhardt/Prefeitura

Projeto também foi apresentado à comunidade e estudantes participaram de várias atividades /Diego Leonhardt/Prefeitura

A equipe da Escaiola Arquitetura Rara realizou na última sexta-feira ações de educação patrimonial na cidade de Feliz. A atividade faz parte do projeto “Casarão Amália Noll: um mosaico arquitetônico da imigração no sul do Brasil” que foi apresentado em maio no Congresso Euro-Americano Rehabend 2016, realizado na Universidade de Burgos, na Espanha.

Para participar do Congresso a Escaiola Arquiterura Rara foi habilitada em edital de Intercâmbio do Ministério da Cultura. E o trabalho de conscientização da comunidade é uma contrapartida ao recurso recebido do Ministério. A equipe é composta pelas arquitetas Cristiane Rauber, Juliana Betemps e Mirela Dalmás, a acadêmica Andressa Brustolin e a produtora cultural, Carmen Langaro. A proposta é de tornar o prédio histórico numa típica cervejaria alemã e num museu dedicado à cerveja artesanal. No local chegou a funcionar salão de beleza, armazém de secos e molhados, dentista e até mesmo salão de baile.

E por volta de 1960, a ousada Amália Noll, que era amante da fotografia, importou da Alemanha uma máquina de projeção de filmes, transformando parte do casarão em um cinema.

Na última sexta-feira, 1º de julho, ocorreram várias atividades envolvendo alunos do Ensino Médio e Fundamental, que receberam o certificado de Protetores do patrimônio. Entre as ações aconteceram um pedágio educacional, passeio com a história recontada e palestra técnica sobre o trabalho apresentado na Espanha. Na pesquisa, iniciada no ano passado, conforme a arquiteta e urbanista Juliana Betemps, foi feito um projeto de restauração arquitetônica que consiste no levantamento do prédio, o que é possível preservar e como pode ser feita a recuperação.

Por Guilherme Baptista

Fonte original da notícia: Fato Novo




Museu Histórico de Campos, RJ, comemora 4 anos de inauguração

Comemoração será na terça (28) e quarta-feira (29), dia do aniversário. Programação inclui mesas redondas, debates e palestras.

Museu Histórico faz 4 anos de inauguração na quarta-feira (29). (Foto: Ascom Campos dos Goytacazes/Divulgação)

Museu Histórico faz 4 anos de inauguração na quarta-feira (29). (Foto: Ascom Campos dos Goytacazes/Divulgação)

O Museu Histórico de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, comemora quatro anos de inauguração na quarta-feira (29). As comemorações começam na terça-feira (28), a partir das 18h, com a abertura oficial, com autoridades, seguida da mesa “Museu e Pesquisa”, que vai debater a importância dos estudos e os avanços da construção do Museu no Solar do Visconde de Araruama.

A mesa será composta pela diretora Acadêmica da Uniflu, Tânia Maria da Costa; a professora de história, Carmem Eugênia; o coordenador da Universidade Federal Fluminense (UFF), Júlio Gralha; o chefe do Departamento de História da UFF, Luiz Carlos Duarte; e o professor do Instituto Federal Fluminense (IFFluminense), Rodrigo Rosselini. Haverá também, a apresentação musical com a Lyra de Apolo, comandada pelo maestro Ricardo Azevedo.

Na quarta-feira (29), dia do aniversário do Museu, com inicio às 18h, educadores estarão reunidos para discutir o “Museu e a Escola”. Participam do debate, a coordenadora de Educação Infantil da Faetec, Ingrid Fiúza; o animador cultural, Guilherme Freitas; a professora de história, Fernanda Campos; e o monitor do Museu Histórico, Rossini Reis.

Os profissionais abordarão a educação patrimonial para as crianças. Também será exibido o documentário “Museu Histórico de Campos – 4 anos de portas abertas”, produzido pelo jornalista Antônio Filho. As atividades serão finalizadas com o “Recital de Piano” com o maestro Ivan Glória.

Acervo
O Museu, administrado pela Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima, recebeu mais de 78 mil visitantes desde a inauguração, em 2012, e se destaca pelo acervo e o número de exposições realizadas, que somam mais de 35. O espaço funciona na Praça São Salvador, 40, de terça a sexta, das 10h às 17h, e aos sábados, domingos e feriados, das 9h às 14h.

Fonte original da notícia: G1 Norte Fluminense




Fortaleza (CE) – Arte a serviço da educação patrimonial

08 JUNHO DE 2016 - ExposiÁ„o PATRIM  - CADERNO 3 - 14c30507  -  NLVL

Composta por 120 telas, a mostra “Patrimônios” será aberta hoje (14), às 19h30, na Multigaleria, no CDMAC.

Saiba mais…

Fonte original da notícia: Diário do Nordeste