Manaus (AM) – Empresários desrespeitam a lei e mudam fachadas de prédios históricos no Centro

Imóveis de ruas do Centro de Manaus não seguem as determinações da legislação do patrimônio e ainda colocam em risco a vida dos pedestres.

Quando não alteram fachadas, empresários colocam seus produtos nas calçadas. Foto: Márcio Silva

Não é preciso andar muito pelo Centro de Manaus para encontrar prédios com fachadas belas e que lembram o período áureo da borracha. O problema é que alguns desses imóveis históricos, além de não seguir as determinações da legislação do patrimônio e normas do projeto Viva Centro, da prefeitura, ainda colocam em risco a vida dos pedestres que circulam no entorno deles.

Na rua Rocha dos Santos, por exemplo, uma loja que comercializa redes ficou  com parte da estrutura comprometida depois que metade da fachada de ferro foi retirada. O vendedor João Mendes, 49, disse que, o proprietário do prédio retirou a estrutura para reformar outra loja, que fica ao lado. “Eles retiraram o toldo e, em seguida, serraram o painel de ferro. Só ficou uma parte para identificar a loja de redes. O dono retirou para não atrapalhar a estética da nova loja vizinha”, explicou.

Perto dali, na rua Miranda Leão, uma loja de confecções também foi flagrada fora dos padrões determinados pela Prefeitura.  O projeto de reordenamento do Centro exige que lojistas devem manter os produtos para venda, dentro dos limites dos comércios. Em frente ao estabelecimento, foram encontrados vários manequins e peças de roupa espalhadas pela calçada. Para a dona de casa Gisandra Coelho Paes, 26, isso atrapalha a todos que passam por ali.

“Há alguns meses eles mantinham uma cesta cheia de sapatos em promoção quase no meio da rua. Era muita confusão. Depois do ‘tal’ reordenamento, cessou um pouco, mesmo assim, a gente precisa andar ‘apertadinho’, quando passamos em frente a essas lojas”, criticou Gisandra, que ainda denunciou a prática de vendas no meio da rua, durante o fim de semana.

“É só você chegar aqui, no sábado, a partir de nove da manhã. Muitas pessoas vendendo nos moldes da Henrique Martins (bate-palma). Eu acredito que a fiscalização do poder público precisa ser maior”.

Limpeza

A sujeira também é outro problema apontado pelos clientes e pedestres que circulam pelas ruas do Centro Histórico de Manaus. Em um estabelecimento que comercializa variedades, localizado na rua dos Andradas, além do mostruário no meio da calçada, o lixo acumulado espanta os clientes, conforme relata a vendedora ambulante Rosalina Souza, 51. Ela explicou que os lojistas pagam um serviço terceirizado para retirar o lixo da calçada, mas o serviço é irregular.

“Eu sei que é de responsabilidade da prefeitura manter as ruas limpas, mas todos os comerciantes tem o dever de cuidar do seu próprio espaço na calçada. Como vamos ter um centro ‘modelo’ se ninguém coopera?”, questiona.

Implurb

O Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb) foi questionado sobre as denúncias de fachadas irregulares em imóveis no Centro Histórico de Manaus, no entanto, até o fechamento desta edição, não respondeu sobre as ações que eventualmente toma.

Por Danilo Alves

Fonte original da notícia: A Critica




El Patrimonio de Chile lo defenderemos las comunidades

Comunicado Público

El Patrimonio de Chile lo defenderemos las comunidades.

Grave acción del mundo privado y sus cómplices, contra la defensa del patrimonio.

Museo histórico y Militar de Chile. Fuente: Patrimonio de la Defensa. Divulgação/Internet

En diversos medios de prensa ha aparecido un inserto de la Cámara Chilena de la Construcción cuestionando las declaratorias patrimoniales de Villa San Luis y Casa Italia. Frente a la prepotencia y el poder del dinero, las comunidades que luchamos por la defensa del patrimonio de Arica a Punta Arenas, declaramos nuestro total apoyo a la protección patrimonial de lugares que representan la historia y memoria de nuestro país.

Consideramos de la mayor gravedad la presión del mundo inmobiliario, representado por la Cámara Chilena de la Construcción y sus cómplices, que no escatiman recursos, ni vulnerar la legalidad, antes ni ahora, cuando sus intereses económicos y políticos se ven amenazados por la ley que desde 1925 protege nuestro patrimonio.

En los casos de Villa San Luis y Casa Italia se demuestran, con presiones, demoliciones ilegales y maniobras arteras, la peor expresión de la corrupción, tráfico de influencias y uso de relaciones de poder para conseguir el único objetivo que el capital inmobiliario tiene: maximizar las utilidades de los controladores de las principales empresas del rubro, a costa de las legítimas demandas de las comunidades por preservar su memoria, dignidad y patrimonio. Especial atención hacemos del caso de Villa San Luis, cuando en plena dictadura militar, las comunidades fueron discriminadas y violentadas en sus derechos fundamentales, frente a lo cual el Estado de Chile tiene una gran deuda.

Lo que no han entendido los señores de la Cámara Chilena de la Construcción y sus cómplices, es que Chile, poco a poco ingresa a la discusión de las nuevas concepciones de protección patrimonial que impulsan organismos internacionales como Unesco.

Lo que no han entendido los señores de la Cámara Chilena de la Construcción y sus cómplices, es que Chile, poco a poco avanza en leyes que hoy harían imposibles casos de discriminación arbitraria, como la que sufrieron los vecinos de Villa San Luis. La actual ley Zamudio establece una definición de discriminación arbitraria, en su artículo 2º: “toda distinción, exclusión o restricción que carezca de justificación razonable, efectuada por agentes del Estado o particulares, y que cause privación, perturbación o amenaza en el ejercicio legítimo de los derechos fundamentales establecidos en la Constitución Política de la República o en los tratados internacionales sobre derechos humanos ratificados por Chile y que se encuentren vigentes”.

La firma de la Ministra de Educación de los decretos de protección patrimonial, luego del voto favorable de los consejeros del Consejo de Monumentos Nacionales (CMN), es una muy buena señal para Chile y su patrimonio. Apoyamos plenamente que se haya cumplido la labor que el Estado mandata a la Ministra, que es ratificar la votación del CMN.

La historia de ministros y ministras de educación que no han querido firmar declaratorias votadas por el CMN es larga y las comunidades tenemos buena memoria.

La maniobra comunicacional millonaria de la Cámara Chilena de la Construcción, a través de los insertos en diversos diarios de circulación nacional, es muy clara y tiene por objetivo ejercer una presión sobre la Contraloría General de la República, para la toma de razón de los decretos que entregan la protección patrimonial a Villa San Luis y Casa Italia.

El mercado inmobiliario y su destrucción de la ciudad la hemos sufrido en las últimas décadas, a costa del buen vivir de nuestras comunidades. Los intereses económicos de señores como Sergio Torreti Costa, Presidente de la Cámara Chilena de la Construcción y Oscar Acuña Poblete, abogado defensor de inmobiliarias, son parte de un país que ya la ciudadanía no quiere.

Particular indignación nos causa la labor en contra del patrimonio del señor Oscar Acuña, ex secretario del Consejo de Monumentos Nacionales. Como representante de la Inmobiliaria Casa Italia S.A. ha realizado todas las acciones posibles para que esta propiedad no se declare. En el caso de Villa San Luis ha dado diversas declaraciones contrarias a la protección patrimonial. Pero su historia es larga en las políticas a favor de la destrucción del patrimonio: apoyo al Rally Dakar y sus irreparables daños, asesor de Mall Plaza para proyecto Puerto Barón, apoyo a la demolición de la Clínica London, junto a decenas de recursos y asesorías hechas a empresas inmobiliarias o mineras, para validar la destrucción del patrimonio. Actualmente es parte del Consejo Nacional de la Cultura y las Artes y en su calidad de militante de la Democracia Cristiana, pertenece al equipo programático de la candidata presidencial Carolina Goic. Exigimos que este tipo de personas no sean nunca más parte de estructuras del Estado y castigaremos con nuestra movilización a los candidatos o candidatas presidenciales, parlamentarias o de gobierno regional, de cualquier sector político, que no tengan una política clara de protección del patrimonio.

Así como lo acordamos con los más de 400 delegados participantes en el 6o Congreso Nacional de Barrios y Zonas Patrimoniales, en abril de 2017 en Cartagena, hacemos un llamado a las comunidades que en diversos territorios luchamos por el patrimonio, a movilizarnos contra todos aquellos que no respeten las luchas, demandas y propuestas de protección del patrimonio cultural y natural de Chile.

La prepotencia del mercado inmobiliario y sus cómplices, sólo fortalecerá nuestras luchas y organizaciones.

No más barbarie inmobiliaria, las comunidades seguiremos la lucha por el buen vivir.

Asociación Chilena de Barrios y Zonas Patrimoniales.

Primeras organizaciones que adhieren:

-Agrupación Patrimonio de Los Vilos
-Agrupación por la Memoria Histórica Providencia Antofagasta
-AntofaPatrimonial
-Asociación de Barrios Patrimoniales y Zonas Típicas de la Región de Coquimbo
-Centro Cultural Keluwe
-Centro Cultural Patrimonio de Matta Sur
-Club Deportivo El Gran Yungay
-Colectivo Vecinos por el Patrimonio
-Comité de Vivienda Barrio Matta Sur
-Comité Matta Sur, Barrio Valioso
-Comité Victoria
-Consejo Vecinal de Desarrollo La Palmilla, Conchalí
-Corporación Cultam, Cultura y Medio Ambiente Sustentable
-Corporación Cultural de Los Vilos
-Corporación de Artesanos Productores Región de Antofagasta
-Cultura en Movimiento IV
-El Sitio de Yungay
-Equipo Técnico Declaratoria Zona Típica Villa Olímpica
-Escuela Taller Antofagasta
-Escuela Taller Coya
-Escuela Taller de Artes y Oficios de Cartagena
-Escuela Taller de Artes y Oficios de Chiloé
-Escuela Taller de Artes y Oficios Fermín Vivaceta
-Escuela Taller de Artes y Oficios Osvaldo Ramírez, La Serena
-Junta de Vecinos Barrio Yungay, Santiago
-Junta de Vecinos Cardenal Raúl Silva Henríquez, Santiago
-Junta de Vecinos de Frutillar
-Junta de Vecinos Villa Olímpica, Ñuñoa
-Londre 38, espacio de memorias
-Mesa Ciudadana de Patrimonio, Cultura y Turismo de Lota
-Museo Comunitario de Coya
-Ong Kimkelen
-Ong Vecinos Barrio San Eugenio, Santiago
-Patrimonio del Barrio, Copiapó
-Patrimonio del Olvido
-Potrerillos Amigos Siempre
-Sociedad de Amantes de Cartagena
-Vecinos por la Defensa del Barrio Yungay
-Vida de Barrios, Ñuñoa
-Vigías del Patrimonio de Llanquihue

Para adherir con tu organización a la declaratoria escribe a: patrimoniodechile@gmail.com

Fonte original da notícia: Asociación Chilena de Barrios y Zonas Patrimoniales (por e-mail)




Festa D’Ajuda, em Cachoeira (BA), recebe registro especial de Patrimônio Imaterial

Celebração acontece entre outubro e novembro, na cidade do Recôncavo Baiano; reconhecimento foi feito pelo Ipac.

Festa D’Ajuda recebe registro especial de Patrimônio Imaterial da Bahia. (Foto: Elias Mascarenhas/Ipac)

A Festa de Nossa Senhora D’Ajuda que acontece entre outubro e novembro, na cidade de Cachoeira, no Recôncavo baiano, recebeu o registro como Patrimônio Imaterial da Bahia. A determinação foi do governo do estado, na última sexta-feira (5), mas a informação foi divulgada pelo Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac) nesta quarta-feira (10).

De acordo com o Ipac, o decreto do governo se dá considerando as propostas formuladas em dossiê, que foi enviado para o Conselho Estadual de Cultura da Bahia (CEC), e aprovado pelo Ipac e pelo CEC, ambos da estrutura da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA).

Ainda segundo o instituto, a partir do registro, a manifestação cultural da cidade de Cachoeira constará no Livro de Registro Especial dos Eventos e Celebrações, como Patrimônio Imaterial.

Segundo a tradição, a festa ocorre desde início do século XIX, como uma data móvel, entre outubro e novembro. Os festejos iniciaram-se a partir da capela de mesmo nome inicialmente devota à Nossa Senhora do Rosário e, depois, com a transferência para a atual matriz, à Nossa Senhora D’Ajuda.

Patrimônio do Brasil

Decreto foi determinado pelo governo do estado. (Foto: Elias Mascarenhas/Ipac)

De acordo com o diretor geral do IPAC, João Carlos de Oliveira, a capela está no Largo da Ajuda, no cume de uma pequena colina no centro da cidade, com acesso por três ladeiras em sentidos opostos. Segundo ele, a capela integra o Centro Histórico da cidade e é tombada individualmente como Patrimônio do Brasil desde 1939 através do IPHAN/MinC.

A edificação é do século XVII, entre 1595 a 1606, e a característica mais importante é a capela-mor recoberta por cúpula. A Festa D’Ajuda tem liturgia Católica em adoração a Nossa Senhora. As festividades têm início com o Pregão do Bando Anunciador, grupo de cavaleiros ornados que em montarias tocam instrumentos de sopro metálicos, clarins e cornetas, anunciando a passagem do tradicional cortejo.

Festa acontece entre outubro e novembro, na cidade de Cachoeira. (Foto: Elias Mascarenhas/Ipac)

O pedido para se pesquisar a Festa D’Ajuda foi feito pelo Centro de Estudos Raízes do Recôncavo e pela Irmandade de Nossa Senhora D’Ajuda.

Fonte original da notícia: G1 BA




PI – Campus de Parnaíba realizará Feira do Patrimônio

Com o objetivo de sensibilizar a comunidade do Piauí, nomeadamente do Meio Norte do Brasil, cidade de Parnaíba e municípios vizinhos, por meio de ações socioeducativas, para o rico e complexo patrimônio cultural e natural e para os museus, o Mestrado Profissional em Artes, Patrimônio e Museologia da Universidade Federal do Piauí (UFPI) realizará no período de 18 a 20 de maio, no Campus Ministro Reis Velloso, em Parnaíba, a Feira do Patrimônio.

Apresentando proposta e conceito pioneiros no território e no Brasil, ao divulgar e promover a paisagem cultural do Piauí, a Feira busca construir gradativamente uma cultura de consumo de bens culturais em uma perspectiva que valorize os aspectos econômicos e sociais, fator de cultura, educação, turismo, gerador de receitas e fomentador de emprego e renda.

Seguindo um modelo de eventos similares aos que já ocorrem com sucesso há alguns anos em países como Portugal, Espanha, Itália, Alemanha e, mais recentemente, em países da África, o evento está incluso na Semana Nacional de Museus, especificamente nas comemorações ao Dia Internacional de Museus, a realizar-se em todo o mundo no dia 18 de maio, por iniciativa do ICOM, Conselho Internacional de Museus, órgão vinculado à UNESCO, do qual o Brasil faz parte como estado membro.

O evento pretende congregar agentes e instituições públicas, fundações, empresas, escritórios de arquitetura/design, operadores turísticos, projetos de base territorial, empresas de conservação e restauro e de reabilitação urbana, universidades e centros de formação especializada, artistas, artesãos, dentre outros.

A Feira do Patrimônio destina-se ao público em geral e a todos os que se interessam pelas matérias relacionadas aos patrimônios, museus, turismo, empreendedorismos e outros negócios.

Fonte original da notícia: Universidade Federal do Piauí




Detentos de Ouro Preto (MG) trabalham na conservação do patrimônio

Após passar por treinamento, detentos atuam na conservação do patrimônio, iniciativa que permite a redução das penas e lhes abre portas para refazer a vida na cidade.

Reeducandos roçam jardins do Casarão Rocha Lagoa, numa parceria que diminui os dias passados na prisão e garante economia para a cidade. (Foto: Beto Novaes/EM/DA Press)

Reeducandos roçam jardins do Casarão Rocha Lagoa, numa parceria que diminui os dias passados na prisão e garante economia para a cidade. (Foto: Beto Novaes/EM/DA Press)

Quando sair da cadeia em maio, S., de 35 anos, pai de uma menina, sabe que vai enfrentar o preconceito da sociedade e receber olhares enviesados de muita gente ao revelar que pegou quatro anos por praticar assalto. Mesmo assim, ele pretende conseguir um emprego e ter vida nova na cidade onde nasceu e cumpre pena em regime semiaberto. “Quero trabalhar, ficar por aqui. Espero que as pessoas confiem em mim, me deem oportunidade, um emprego”, diz o detento, deslizando com precisão a roçadeira sobre o gramado do jardim do Casarão Rocha Lagoa, sede da Secretaria Municipal de Cultura e Patrimônio. A exemplo de S., mais oito presos, no mesmo regime, participam do Programa de Liberdade de Assistência ao Encarcerado (Prolae), que lhes deu a chance de aprender um ofício e, agora, de atuar na preservação de monumentos históricos de Ouro Preto.

A iniciativa da prefeitura local foi idealizada em janeiro, quando o país fervilhava com as rebeliões nos presídios do Amazonas e Rio Grande do Norte, que deixaram dezenas de mortos e um clima de insegurança nacional. “Enquanto o Brasil discute a questão carcerária, pensamos na ressocialização e na dignidade humana. Ouro Preto, assim, dá o exemplo com uma ação positiva do reeducando na cidade onde vive. Esses homens foram capacitados, ganharam experiência e poderão ter uma carta de apresentação”, conta o secretário municipal de Cultura e Patrimônio, Zaqueu Astoni Moreira.

O secretário explica que, ao assumir o governo, a nova administração encontrou os cofres públicos vazios e uma dívida alta: “E, aqui, os jardins degradados, tomados pelo mato. Foi então que procuramos o Poder Judiciário e o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) para, em caráter excepcional, fazer uma parceria e absorver os detentos do Prolae, programa vinculado à direção do presídio de Ouro Preto. Tudo isso só foi possível, acrescenta, graças ao empenho do Executivo municipal e do irrestrito apoio da direção do presídio e do Prolae, da Vara Criminal e da Promotoria de Justiça. “As autoridades envolvidas foram sensíveis às dificuldades enfrentadas pelo município e apoiaram a proposta”, diz Zaqueu.

Sem recursos para faxina geral em monumentos que fazem a beleza da cidade reconhecida como Patrimônio Cultural da Humanidade, os presos começaram a trabalhar no início do mês passado e seguem nessa lida até maio, cuidando ainda do prédio histórico da Secretaria Municipal de Assistência Social, doado pelo Barão de Camargos, no Bairro Passa-Dez, e outros de relevância. “O serviço inclui limpeza e jardinagem e os custodiados estão fazendo tudo muito direito. Nenhum deles veio obrigado e sim de forma voluntária”, explica Zaqueu.

Orgulho. O grupo de presos, sob a supervisão de um funcionário da prefeitura local, cumpre jornada diária de oito horas, durante cinco dias da semana, recebe alimentação e transporte fornecidos pela prefeitura e, para cada três dias trabalhados tem remição de um dia na pena. “Todos os internos foram selecionados pela direção do Presídio de Ouro Preto”, observa o secretário. O prefeito Júlio Pimenta (PMDB) se mostra satisfeito com o resultado, exibe com orgulho, na tela do celular, a repercussão nas redes sociais e planeja o próximo passo, dentro do Prolae: o emprego dessa mão de obra no restauro de bens tombados. A intenção é firmar um convênio para tornar o programa prática contínua.

Com uniformes diferenciados dos da Subsecretaria de Administração Prisional (Suapi)/Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds), comprados pela prefeitura a pedido do MPMG e da Justiça, os presos se deslocam pelo gramado e jardins do casarão, que se alonga por uma encosta, com muros de pedra seculares dando sustentação. “Estamos planejando uma iluminação especial para que moradores e visitantes conheçam esse patrimônio de Ouro Preto. A vista daqui é muito bonita, podemos ver igrejas, casarões, o Museu da Inconfidência e outras construções dos tempos coloniais”, adianta Zaqueu. Ele lembra que, no Prolae, os reeducandos têm uma série de atividades e cuidam de um viveiro de plantas.

No fim da manhã, o preso S. continua sua tarefa e daqui a pouco vai parar e seguir para o almoço. “Já trabalhei antes de ser preso. Acho que este programa é um exemplo para o Brasil”, afirma com a voz baixa. Interno há quatro anos dentro de uma sentença de 10, por tráfico de drogas, W., de 28, cuja mãe mora em Belo Horizonte, está certo de que o trabalho “distrai a mente, o que para nós é muito melhor”. E afirma que “ninguém fica no crime para sempre”. Seguindo para a refeição, ele acrescenta. “Este aqui é um bom jeito de recomeçar, pois há muito para fazer”.

Histórico. O Casarão Rocha Lagoa fica na Rua Teixeira Amaral, ladeira de acesso às igrejas São José e São Francisco de Paula e rodoviária de Ouro Preto. De provável construção datada do fim do século 18, o sobrado recebeu esse nome por ter sido residência, já na segunda metade do século 19, da tradicional família Amaral e Rocha Lagoa, representada principalmente pelo senador Francisco Rocha Lagoa e sua esposa Amélia Amaral Rocha Lagoa, filha do coronel Francisco Teixeira Amaral.

Conforme o Inventário de Proteção do Acervo Cultural (Ipac), a mais antiga referência ao imóvel data de 1806. Nesse ano, consta do Livro de Tombos de Terrenos Foreiros a informação de que “Vicência Moreira de Oliveira possuía uma casa na rua da ladeira que segue para a capela de São José”. O documento destaca ainda que a primeira referência direta ao coronel Francisco Teixeira Amaral se deu em 1872.

O que diz a lei  – Benefício por trabalhar

A Lei de Execução Penal (7.210/84) dispõe sobre a remição de parte do tempo de cumprimento da pena por estudo ou trabalho. O inciso um do artigo 126 assegura ao condenado no regime fechado ou semiaberto que um dia da pena será descontado para cada 12 horas de frequência escolar (ensinos fundamental, médio, profissionalizante, superior ou de requalificação profissional) divididas, no mínimo, em três dias. Já o inciso dois garante o desconto de um dia a cada três trabalhados. Por sua vez, o artigo 127 determina que, “em caso de falta grave, o juiz poderá revogar até um terço do tempo remido (…), recomeçando a contagem a partir da data da infração disciplinar.”

Por Gustavo Werneck

Fonte original da notícia: Estado de Minas




São Gonçalo (RJ) – Fazenda Colubande, mais um crime brutal contra o Patrimônio

Essas são fotos que tiramos no final de 2015. Na mesma ocasião informamos a todos os órgãos gestores da situação desse importante patrimônio e também ao MPF.

Nada foi feito. Nada!

Nesses  últimos dias foram até a Fazenda e as notícias são que roubaram tudo, desde as talhas cobertas de ouro do século XVIII, azulejos pintados porta e tudo mais que se poderia roubar.

E agora?

16299837_1734250650237237_9020427931680650134_o

16252346_1734260256902943_1270945282780530777_o

16251849_1734255913570044_8627346274616193920_o

16252100_1734254176903551_8913012658373424852_o

16179336_1734260340236268_2868875817914670715_o

16251989_1734251040237198_6706835625353004493_o

16174575_1734251536903815_1194745286379025639_n

16143531_1734250743570561_1079381895006356836_o

Por Claudio Prado de Mello




Recife (PE) – Curso Zeladoria do Patrimônio Cultural Urbano

14469457_1230328793716583_3470812376311971330_n

A zeladoria busca exaltar identidades, memórias e a atribuição de valores pelas pessoas ao patrimônio dentro da perspectiva preservacionista. Ações simples para perpetuar grandes legados. Trata-se do entendimento do patrimônio e o consequente envolvimento da população a visão do zelar.

Ministrante: Conservador e restaurador Antônio Luís Ramos Sarasá Martin

De 24 a 26 de outubro de 2016
Das 8 as 12 horas e das 13 as 17 horas
Carga horária: 24 horas

Inscrições até 21/10/2016, através do e-mail: laborarte@fundaj.gov.br

Informações adicionais: (81) 3073.6282/6285

Laborarte – Laboratório de Pesquisa, Conservação e Restauração de Documentos e Obras de Arte
Av. 17 de Agosto, 2187 – Casa Forte – Recife (PE)




São Paulo (SP) – Restauro da Ponte Torta em Jundiaí e do prédio do IAB são temas de palestras na FAU Maranhão

O grupo de pesquisa Patrimônio, Memória e Universidade, coordenado pelo Prof. Júlio Roberto Katinsky (USP), convida para as palestras:

Restauro do IAB, ministrada por Silvio Oksman

Restauro de uma Ponte em Jundiaí, ministrada por Antonio Sarasá

São projetos premiados que apresentam aspectos relevantes da cultura de preservação contemporânea.

Serviço
Data: 20 de outubro de 2016
Horário: 19h30
Local: FAU Maranhão – Rua Maranhã, 88 – São Paulo.

Slide 1

Fonte original da notícia: Estúdio Sarasá




Semáforos de BH (MG) ajudam a identificar igrejas

A fachada de igrejas católicas e evangélicas, no perímetro da Avenida do Contorno, está agora reproduzida nos semáforos de pedestres da capital mineira.

Sinal de pedestre reproduz fachada da Igreja São José, no Centro de Belo Horizonte: 15 templos estão incluídos no projeto. (Foto: Beto Novaes/EM/D.A.Press)

Sinal de pedestre reproduz fachada da Igreja São José, no Centro de Belo Horizonte: 15 templos estão incluídos no projeto. (Foto: Beto Novaes/EM/D.A.Press)

Novos sinais de preservação do patrimônio de Belo Horizonte. A fachada de igrejas católicas e evangélicas, no perímetro da Avenida do Contorno, está agora reproduzida nos semáforos de pedestres. Segundo o presidente da Fundação Municipal de Cultura (FMC), Leônidas Oliveira, trata-se da segunda etapa do projeto Cidade Revelada – Interpretação e Sinalização do Patrimônio Histórico, iniciativa em parceria com a Belotur e BHTrans. A primeira fase do trabalho contemplou prédios históricos e monumentos e, nesta etapa, valoriza 160 equipamentos no entorno de 15 templos. “A sinalização substitui os bonequinhos e funcionará exatamente como as tradicionais, indicando os tempos verde e vermelho para a travessia dos pedestres”, informa.

Leônidas conta que o turismo religioso vem crescendo muito, daí a necessidade de destacar os templos e a história de cada um, entre eles a Capela de Nossa Senhora do Rosário, a mais antiga da capital e localizada na Avenida Amazonas, entre as ruas São Paulo e Tamoios, no Centro. A terceira fase do projeto Cidade Revelada vai ter o foco nos espaços culturais, a exemplo de museus, bibliotecas e outros também localizados fora da Contorno.

As novas máscaras nos semáforos, com a fachada das igrejas, ficarão no entorno dos seguintes templos: Segunda Igreja Presbiteriana de BH, Igreja de São José, Igreja Metodista do Brasil, Igreja Ortodoxa São Jorge, Primeira Igreja Batista de BH, Capela de Nossa Senhora do Rosário, Igreja do Sagrado Coração de Jesus, Igreja de Nossa Senhora da Boa Viagem, Primeira Igreja Presbiteriana de Belo Horizonte, Capela do Instituto Metodista Izabela Hendrix, Igreja de Santa Efigênia, Igreja de Nossa Senhora de Fátima, Igreja de Nossa Senhora da Consolação e Correia, Igreja de Nossa Senhora das Dores e Capela da Igreja de Nossa Senhora do Líbano.

Valor. O projeto, acredita o presidente da FMC, tem como objetivo enaltecer os principais patrimônios culturais da cidade, destacando ícones culturais, patrimônios da cidade por seus valores históricos e preceitos arquitetônicos. “A ideia é conduzir e despertar curiosidade na população, permitindo a todos um novo olhar sobre a cidade”, afirma.

A segunda etapa vai ao encontro do Roteiro Turístico de BH montado especialmente para aqueles que buscam visitar locais relacionados à religiosidade. “O projeto Caminhos da fé visa oferecer aos turistas a oportunidade de experimentar a capital de forma diferenciada, sob novos pontos de vista e perspectivas. Esse roteiro propõe a visita a momentos de várias religiões. A sugestão completa de roteiro está no site www.roteirosdebh.com.br/roteiro/caminhos-da-fe.

Além dessas intervenções, a FMC, vinculada à Prefeitura de Belo Horizonte, concluiu em março a instalação dos totens e placas de sinalização do projeto Bahia Revelada – Sinalização Interpretativa do Patrimônio Cultural de Belo Horizonte. O material bilíngue traz dados históricos sobre bens considerados patrimônio cultural do município, além de informações direcionais e mapas com sua localização.

Por Gustavo Werneck

Fonte original da notícia: em.com.br




RS – Edital do Fundo de Apoio à Cultura para Memória e Patrimônio

Foto antiga do Hospital Psiquiátrico São Pedro - Porto Alegre - Rio Grande do Sul. Divulgação/Internet

Foto antiga do Hospital Psiquiátrico São Pedro – Porto Alegre – Rio Grande do Sul. Divulgação/Internet

A Secretaria da Cultura do Rio Grande do Sul, por intermédio da Diretoria de Economia da Cultura, em parceria com o Colegiado Setorial de Memória e Patrimônio e o Instituto Estadual de Patrimônio Histórico e Artístico do Estado – IPHAE, tornou pública a abertura de inscrições, entre os dias 18 de agosto e 06 de outubro de 2016, para o Edital de Concurso “Pró-Cultura RS FAC Memória e Patrimônio”, que selecionará projetos culturais de pessoas físicas e jurídicas de direito privado.

Conforme o edital, serão selecionados 13 projetos nas seguintes categorias:
– Um projeto, no valor de R$ 50 mil, para restauração de patrimônio edificado;
– Dois projetos, no valor de R$ 25 mil, para ações de proteção para memória e patrimônio;
– Seis projetos, no valor de R$ 15 mil, para ações educativas para memória e patrimônio;
– Quatro projetos, no valor de R$ 15 mil para ações educativas para memória e patrimônio.

Acesse AQUI o Edital e saiba como participar.

Fonte original da notícia: IPHAE