Foto: Divulgação

Com o intuito de proteger imóveis e edificações históricas durante os festejos do Carnaval 2018, o Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC), órgão vinculado à SecultBA, iniciou a implantação de tapumes em prédios que estão sob sua responsabilidade, para evitar que os bens materiais edificados patrimonializados sofram qualquer tipo de dano.

Além disso, o IPAC intensifica, a partir de hoje (07), suas ações de educação e conscientização patrimonial, que consiste em alertar à população para a importância da conservação e preservação do patrimônio cultural material edificado, esclarecendo através das redes sociais como se deve proceder durante os festejos carnavalescos.

Com investimentos de mais de R$100 mil, o Teatro Castro Alves (TCA) e o Palácio da Aclamação, ambos no Campo Grande; o Palácio Rio Branco, na Praça Municipal; o Palacete das Artes, na Graça e o Museu de Arte da Bahia (MAB), no Corredor da Vitória, são alguns dos equipamentos que receberam os tapumes. Na lista a serem contemplados ainda constam a Casa da Música (Parque do Abaeté) e o Centro Cultural Plataforma, entre outros espaços culturais.

De acordo com o engenheiro do IPAC, Diego Souza, o órgão tem como dever proteger e salvaguardar todo o patrimônio cultural da Bahia. “Há uma necessidade de se proteger as edificações, pois todos estão no circuito do carnaval e precisamos evitar todo tipo de dano ao bem cultural, como depredações, pichações ou até que pessoas urinem nos equipamentos”, afirma o engenheiro.

Outros exemplos de prejuízos ao patrimônio material são: instalações elétricas irregulares ou fiações clandestinas que possibilitem choques elétricos e incêndios; fogos de artifício e produtos inflamáveis e despejar lixo ou dejetos. ASCOM/IPAC

Fonte original da notícia: Tribuna do Recôncavo